sábado, 29 de outubro de 2016

Bolo de coco e abóbora




As abóboras têm sido o ingrediente preferido por aqui nos últimos dias. A abóbora já é sempre um dos meus ingredientes preferidos, mas esta semana tem sido mesmo muito utilizada. Porque estamos no tempo delas e porque está quase aí o Halloween ou Dia das Bruxas e veem-se muitas abóboras por todo o lado. As lojas e os supermercados estão cheios de abóboras e, de tanto as ver, estou sempre a ter ideias para as confecionar. Fazer "abobríces", portanto! Este bolo de abóbora e coco fica muito bom, não cresce muito, fica um bolo húmido e consistente. Espero que gostem da sugestão e que vos adoce o fim-de-semana.


Ingredientes:
5 ovos tamanho L
50 gr de farinha sem fermento
1 colher de café de fermento em pó
200 gr de coco
50 gr de mel
150 gr de açúcar amarelo
250 gr de abóbora crua ralada
125 ml de azeite com pouca acidez
Raspa da casca de 1 limão

Preparação:
Bata o açúcar com o mel e o azeite e depois junte os ovos um a um, continuando a bater. Rale a abóbora e seque-a em papel absorvente. Junte o coco, a abóbora e a raspa de limão ao preparado de ovos. No fim junte a farinha peneirada e envolva apenas. Deite a massa numa forma untada e leve a forno pré-aquecido a 180º durante 30 minutos. Depois de desenformar polvilhe com coco ralado, como me esqueci de reservar um pouco, polvilhei com açúcar.

Nota sobre intolerâncias alimentares: houve quem me pedisse receitas sem claras e sem farinha. Neste bolo podem usar-se apenas as gemas (6 em vez de 5) e ser retirada a farinha completamente ou ser usada farinha de coco. 

Bom apetite! Bom fim-de-semana!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Broas dos Santos


A tradição de fazer Broas dos Santos, cozidas em forno a lenha, nunca chegou à minha família. Talvez nem seja muito comum aqui na zona de Vila Franca de Xira. Ou era e já se perdeu o hábito... Quando era pequena lembro-me de tocarem à campainha, na manhã do dia 1 de novembro, a pedirem "Pão por Deus". Mas, nessa altura, já o faziam só por brincadeira, não era (felizmente!) para matar a fome, como acontecia antes.
Atualmente ainda acontece, às vezes, aqui na urbanização. Algumas crianças juntam-se e pedem doces à porta dos vizinhos. Por tradição, as broas e bolos dos Santos eram oferecidos, precisamente, neste ritual do "Pão por Deus". Quem as costuma fazer também oferece a familiares e amigos, que é o que eu vou fazer este ano, pois resolvi experimentar estes bolos tradicionais que já me despertavam a curiosidade há muito tempo. Confesso que não tive coragem de acender o forno a lenha porque chovia no dia em que os fiz (o forno está num local descoberto), mas o meu forno elétrico é espetacular e deu bem conta do recado. Depois de algumas pesquisas, juntei dicas de várias receitas e fiz a minha versão. Juntei-lhes alguns frutos secos, mas as broas também ficam igualmente boas só com a massa. Estas ficaram deliciosas! Uma boa parte delas vai para os colegas da aula de Pilates :) Ficou prometido e... promessa de Paparoca é para cumprir!

Ingredientes para 30 broas de cerca de 8 cm de diâmetro:
1 kg de farinha trigo sem fermento (tipo 55)
1 colher de chá de fermento em pó
600 gr de açúcar
150 ml de azeite
4 ovos + 2 gemas para pincelar
1 colher de chá de erva doce moída
1 colher de sobremesa de canela em pó
Raspa da casca de um limão grande
2,5 dl de leite morno
100 gr de sultanas
Nozes qb (cerca de 30 metades)

Preparação:
Coloque a farinha num recipiente largo. Aqueça o azeite até ferver e deite-o por cima da farinha, misture. Junte os restantes ingredientes: açúcar, especiarias, raspa de limão. Depois junte os ovos e vá batendo. Amasse muito bem à mão ou na batedeira com o gancho de amassar. Vá deitando o leite morno e amassando sempre até obter uma pasta moldável, mas que não seja mole demais para que as broas se possam tender.
Molde as broas e disponha-as num tabuleiro forrado com papel vegetal. Se tiver dificuldade em tendê-las, retire pedaços de massa com uma colher (o equivalente a duas colheres de sopa,). Pincele as broas com gema de ovo batida e coloque uma noz em cada uma. Leve ao forno pré-aquecido a 210º até as broas estarem douradas. Eu coloquei o meu forno na posição de ventilação, com ambas as resistências ligadas e a 200º (com o forno ventilado convém sempre baixar um pouco a temperatura). Cada fornada demorou 12 minutos a cozer.

Bom apetite! Aproveitem bem o fim-de-semana e feriado que se aproxima.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Bolo de abóbora, sultanas e rum # Três anos de paparocas!



O blog faz hoje 3 anos. Como já tenho dito várias vezes, lancei-me neste projeto por ter sido muito incentivada por alguns amigos, pelo meu sobrinho e pelo meu marido. Foram estas pessoas que me deram força e insistiram para que eu passasse a partilhar o que faço na cozinha. Estas são algumas das pessoas que mais gostam do que eu cozinho. E eu gosto muito de cozinhar para todas elas. É com estes amigos e familiares que me sinto feliz em partilhar petiscos e risadas à mesa, é para eles que gosto de fazer miminhos pelos aniversário, surpresas para levar para as festas ou jantaradas que fazemos juntos, bolos para os anos dos miúdos crianças e tudo o que possa gerar um sorriso.
Algum tempo depois da ideia, veio a ação. Foi num sábado à noite, sozinha em casa, sem nada de especial para fazer. Resolvi, então, criar algo que pudesse ser especial. Não sei se o é para os outros mas, para mim, é importante. É um projeto maravilhoso pela criatividade que encerra, generoso pela partilha que implica, motivador pelo compromisso pois, apesar de nem sempre haver muito tempo ou até poder aparecer alguma preguiça, sinto-me sempre responsável por partilhar mais uma receita, mais uma dica, mais uma ideia... Até porque agora, ou melhor, de há 3 anos a esta parte, a partilha já não é apenas com os que se sentam à minha mesa, mas também com todos os que estão "desse lado". Vocês, os que leem, seguem, partilham e opinam sobre as minhas receitas. Cada comentário, crítica ou sugestão é o retorno do trabalho e é o que dá sentido a esta partilha.
Hoje foi um dia de trabalho grande, como têm sido quase todos... e ainda bem. O tempo não foi muito, mas foi o suficiente para apagar a vela dos 3 anos e fazer um jantar que, apesar de tardio, foi bom, na companhia do meu marido, que é sempre a minha maior ajuda nestas coisas. Ele não cozinha, mas prova e arruma no fim (sim, a parte mais suja tinha que ficar para alguém!). O Juca, o cãozinho da família, também esteve à mesa a cantar os parabéns e também queria bolo, mas não teve sorte ;)
Já vocês, têm direito à receita! Assim poderão reproduzir o bolo ou inspirar-se para criar outro para quem vocês mais amam e levar um gostinho da Deliciosa Paparoca para vossa casa, para a vossa família, para as vossas partilhas, encontros e reencontros. Não deixem de criar, de estar à mesa e de partilhar. É algo tão social, tão amoroso e tão cúmplice. Não há nada mais emocionante do que a criação. E, se o músico cria com notas e sons e o escritor com letras, o cozinheiro criar com amor. Os alimentos são apenas peças comestíveis que o cozinheiro esculpe e mistura para demonstrar afeto.

Ingredientes:
240 gr de abóbora crua ralada
75  gr de sultanas douradas
60 ml de rum
150 gr de açúcar
125 ml de azeite de boa qualidade
1 colher de chá de aroma de baunilha
3 ovos
250 gr de farinha de trigo integral 
Meia colher de chá de noz moscada
Meia colher de chá de fermento em pó
Meia colher de chá de bicarbonato de sódio

Para o creme: 250 ge de mascarpone +3 colheres de sopa de mel

Preparação:
Rale a abóbora e disponha-a numa camada dupla de papel absorvente para retirar a humidade excessiva. Deite as sultanas num pequeno tacho com o rum, deixe ferver, reduza o lume e deixe cozinhar por 3 minutos.
Junte o açúcar e o azeite e bate com a batedeira. Junte o aroma de baunilha e depois os ovos um a um, batendo bem na velocidade máxima para a massa crescer um pouco. Bati com a vara de bolos e cremes, não com a de arames. Depois de estar bem batido, envolva a farinha, o fermento, o bicarbonato, a noz moscada, as sultanas e a abóbora. Deite numa forma de 23 cm untada e leve a forno pré-aquecido a 180º durante 30 a 40 minutos, conforme o queira mais ou menos húmido.
Desenforme e deixe arrefecer antes de o rechear. Para fazer o creme bata muito bem o queijo ricotta com o mel. Utilize metade para rechear o bolo e a outra metade para pôr por cima.

Notas:
- Desta vez achei que o bolo esteve uns 5 minutos a mais de forno, 30 minutos são suficientes, se tiver um forno potente e pretender um bolo húmido.
- Este bolo foi inspirado numa receita da Nigella Lawson, no original com cenoura e farinha de amêndoa, eu alterei e fiz à minha maneira com os ingredientes que tinha em casa. O resultado foi um bolo de outono maravilhoso. E até é razoavelmente saudável, pois é integral e tem a abóbora, que lhe dá humidade, deixando-o muito suculento.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

domingo, 16 de outubro de 2016

Pão de aveia, nozes e sultanas douradas

 



O pão é a base da alimentação de tantos países, um dos alimentos mais antigos do mundo e cheio de significado. Pão é sinónimo de alimento. Hoje assinala-se o Dia Mundial da Alimentação e do Pão, por isso quis fazer um pão, acender o forno e render-me às evidências do outono ter chegado... Até porque fazer pão é algo um bocado mágico e que me dá sempre muito prazer. Não faço mais por falta de tempo, mas esta receita tem a vantagem de ser muito prática e não ter que esperar muito.
Espero que gostem, além de rápido e fácil, este pão é totalmente integral e saudável, pode ser confecionado com ou sem os frutos secos ou com outros a vosso gosto. Sirvam-no com manteiga ou um requeijão cremoso, que foi o que fiz. Acho que é um pão bom para qualquer altura do dia, do pequeno almoço ao lanche. Bom domingo, bom dia do pão!

Ingredientes para um pão de 750 gr:
300 gr de farinha de trigo integral
50 gr de flocos finos de aveia integral
3 dl de água morna + 0,5 dl para desfazer o fermento
1 colher de sobremesa de mel claro
1 colher de sobremesa de óleo de girassol
1 colher de café de sal fino
20 gr de fermento de padeiro fresco (cerca de meio cubo, costumo comprar no LIDL, na zona dos frescos)
50 gr de sultanas douradas 
50 gr de nozes

Preparação:
Coloque a farinha, os flocos de aveia e o sal numa tigela grande e misture.
Coloque o fermento de padeiro numa pequena taça e junte 0,5 dl de água morna, misture até o fermento ficar todo dissolvido. Junte o mel e o óleo de girassol. Junte este preparado aos ingredientes secos e depois junte os 3 dl de água morna. Misture tudo bem com uma colher de pau.
Depois de bem misturado, se tiver batedeira, bata por 7 minutos à velocidade máxima com o gancho. Se não tiver batedeira, amasse à mão até obter uma massa elástica (esta massa é húmida, nunca seca muito, agarra-se um bocado às mãos, mas é mesmo assim).
Deixe a massa a repousar dentro de uma taça e coberta com um pano. Deve repousar em local quente cerca de 20 minutos ou até ter duplicado de volume. No fim desse tempo, envolva na massa as sultanas (previamente demolhadas em água morna e escorridas) e as nozes grosseiramente partidas (a massa vai perder o ar e voltar ao volume inicial, é normal). 
Coloque a massa numa forma untada e polvilhada com farinha. Usei uma forma redonda de 23 cm de diâmetro. Deixe repousar mais 20 minutos em local quente e depois coloque a forma no forno pré-aquecido a 175º (modo ventilado) ou a 90º se não for ventilado e deixe o pão cozer durante 45 minutos. Sirva quentinho, fica uma delícia!

Notas: 
- Se a casa estiver muito fria e não tiver outra fonte de calor, ligue o forno em temperatura baixa (cerca de 50º) e deixe a massa repousar perto dele para apanhar o calor. A massa precisa de algum calor para crescer.
- Esta receita foi adaptada de "As Voluptuosas Receitas de Miss Dahl", da Sophie Dahl.
 
Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

sábado, 15 de outubro de 2016

Tarte de marmelo e figos

 


Ainda tinha figos, esse maravilhoso fruto de fim de verão, e já tinha marmelos, esse maravilhoso fruto de início do outono. Tudo trazido pelos meus pais. Só as nozes ainda não são das nossas, pois ainda não estão totalmente secas. Além de ser uma tarte confecionada com as nossas frutas, é fácil e muito rápida. Usei massa folhada de compra, que é daquelas coisas que podemos ter sempre no frigorífico e que facilitam um improviso de última hora, seja salgado ou doce. Esta tarte também pode ser feita com maçã, uma fruta a que todos temos fácil acesso o ano inteiro. Basta proceder da mesma forma, colocando as maçãs fatiadas em redor da tarte e adoçando com açúcar e canela e também um pouco de mel.

Ingredientes:
1 placa redonda de massa folhada
1 marmelo
Sumo de meio limão
5 a 6 figos
Cerca de 3 colheres de sopa de mel
Cerca de 2 colheres de sopa de açúcar mascavado
1 colher de chá bem cheia de canela em pó
1 colher de sobremesa de nozes picadas

Preparação:
Comece por preparar os marmelos, descascando-os e cortando-os em quartos e depois em tiras bem finas. Regue-os imediatamente com sumo de limão para não oxidarem.
Coloque a massa folhada numa tarteira redonda. Disponha as tiras de marmelo em forma de coroa, sempre à volta de toda a massa e até a preencher toda. Regue com mel e polvilhe com o açúcar mascavado e canela. No meio da tarte, disponha os figos abertos em metades. Regue com um pouco mais de mel e deite alguns pedacinhos de nozes por cima. Leve ao forno pré-aquecido a 190º durante cerca de 25 minutos ou até a massa folhada estar tostada.

Bom apetite! Bom fim-de-semana!


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Lentilhada de pota



As lentilhas são um alimento que não tenho muito por hábito cozinhar, mas que vou a passar a incluir com mais frequência na minha alimentação. É uma leguminosa bastante saudável e nutritiva, além de  rápida de preparar. Apesar de muitas receitas que vi indicarem um tempo de cozedura de 25 a 30 minutos, as minhas ficaram prontas em 15... Absolutamente macias e a desfazerem-se num molho grosso e suculento. Não sei se é da potência da minha placa vitrocerâmica, talvez! Nas receitas que escrevo continuo a utilizar a expressão "lume" por uma questão de tradição e para ser mais percetível. Mas, na verdade, há anos que não cozinho com lume. Tenho uma vitrocerâmica Candy, que é uma maravilha, principalmente na poupança de energia. Desde que cozinho com placa elétrica que poupo bastante, se contabilizarmos eletricidade e gás em conjunto.
Espero que gostem desta sugestão, é mais uma daquelas receitas que fica pronta em meia hora, ideal para as refeições semanais, práticas e saborosas.
 
Ingredientes para 4 pessoas:
1 chávena almoçadeira (chávena grande) de lentilhas vermelhas
1 cebola grande
6 tomates maduros
3 dentes de alho
1 dl de azeite 
1 kg de pota em pedaços
3 colheres de sopa de salsa fresca picada

Preparação:
Deite o azeite, a cebola e os alhos picados num tacho e deixe refogar ligeiramente até a cebola amolecer. De seguida junte a pota em cubos. Mexa e deixe cozinhar 2 minutos. De seguida junte junte os tomates pelados e cortados em pedaços. Deixe cozinhar em lume médio, com o tacho tapado para criar molho, até a pota estar macia (utilizei cubos congelados, que são bastante tenros e ficam prontos rapidamente).
Assim que a pota estiver pronta, retire, deixando todo o molho e caldo no tacho. Junte mais um pouco de água, de forma a ficar com duas vezes e meia de volume em relação à quantidade de lentilhas (2 chávenas e meia de líquido para 1 chávena de lentilhas). Assim que o caldo estiver a ferver, junte as lentilhas, retifique de sal e deixe-as cozinhar até estarem macias (ficam ligeiramente desfeitas e formam um molho grosso).
No fim junte os pedaços de pota e as lentilhas, misturando tudo. Antes de servir, polvilhe a lentilhada com salsa fresca.

Dicas para cozinhar lentilhas:
- Lave-as em água corrente antes de as cozinhar. 
- Utilize cerca de duas vezes e meia de quantidade de líquido em relação às lentilhas
- Deixe ferver o líquido onde as vai cozinhar, só depois deve mergulhar lá as lentilhas.
- Deixe-as cozinhar entre 15 a 25 minutos, até estarem macias.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Quiche de salmão, courgette e abóbora



Este tem sido um período de muito trabalho para mim. Muito trabalho... poucas receitas porque tenho pouco tempo para as fazer. Mas não deixo de vir aqui, nem que seja para partilhar algumas ideias simples e rápidas, pois é assim que têm sido as refeições cá por casa. Apesar de muito prática e super rápida, espero que gostem desta sugestão. Tem imenso peixe e legumes e fica uma delícia. Como vai tudo em cru para o forno e não exige grandes preparações, é mesmo o ideal para quando a pressa é muita... e o tempo pouco. Aproveitei para estrear a minha tábua Wood Flavours, para quem não conhece a marca, espreitem AQUI.
 
Ingredientes:
1 placa de massa folhada ou quebrada
3 ovos tamanho M
1 pacote de creme culinário de soja
2 filetes de salmão
1 courgette pequena
150 gr de abóbora
4 metades de tomate seco em conserva de azeite
Meia cebola roxa
Sal e pimenta qb
Mistura de ervas qb (usei ervas finas)
Gotas de limão

Preparação:
Rale a courgette (crua e com casca) em fios grossos. Rale a abóbora da mesma forma. Misture as duas numa tigela e tempere com um pouco de sal. Corte os filetes de salmão em cubos, tempere com sumo de lima ou limão, sal, pimenta, a cebola roxa picada e os tomates secos em tiras finas. Envolva tudo.
Disponha a massa folhada numa tarteira. Por cima deite a mistura de courgette e abóbora, junte a mistura de salmão. Numa tigela bata os ovos com o creme de soja, sal e pimenta qb. Deite a mistura por cima dos legumes e do salmão. Polvilhe com ervas finas e leve ao forno pré-aquecido a 200º cerca de 30 minutos ou até a massa estar dourada.
Depois da quiche pronta, deixe-a repousar 5 a 10 minutos antes de cortar e servir.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

sábado, 1 de outubro de 2016

Risotto de camarão com polvo



O arroz é um alimento maravilhoso, principalmente pela sua versatilidade.  Eu sou bastante "arrozeira. Gosto de arroz com tudo e até "com dentes", como se costuma dizer. Gosto de arrozes soltos, de arroz de forno, de arroz malandrinho e cremoso. Obviamente, gosto de risotto!
Desde sempre que faço o arroz doce com a técnica do risotto (ir acrescentando líquido quente pouco a pouco e mexer sempre). Foi assim que a minha avó me ensinou, muito antes da moda do risotto ter chegado até nós. Quando tomei contacto com receitas de risotto, primeiro em restaurantes, depois confecionadas por mim, fiquei logo rendida a este prato. Faço risottos de tudo e talvez o que faça mais vezes seja o de legumes, com o caldo dos legumes e estes partidos em bocadinhos, com o que tenho em casa, sem grandes planeamentos. Também gosto muito de risotto de cogumelos. Quando vi que o desafio deste mês do grupo "Dia um... Na Cozinha" era confecionar um risotto fiquei bastante contente, é realmente um prato que adoro fazer e comer! Espero que gostem da sugestão.

Ingredientes para 4 pessoas:
1 polvo com 800 gr a 1 kg
1 cebola grande
2 chávenas de arroz arbóreo
400 gr de camarão
2 dentes de alho
1 dl de azeite
1 copo de vinho Madeira (pode usar vinho branco)
Sal e pimenta qb
Meio molho de coentros
2 colheres de sopa (rasas) de manteiga
40 gr de queijo ralado (da Ilha ou Parmesão)

Preparação:
Comece por cozer o polvo só com água, sem sal, até estar tenro. Reserve o caldo e separe os tentáculos do polvo.
Descasque os camarões e coza as cabeças em água sem sal por 30 minutos para fazer um caldo. Junte este caldo ao do polvo e reserve.
Num tacho deite o azeite e a cebola picada finamente. Deixe refogar até a cebola estar transparente, mas sem ganhar cor. Junte o arroz e deixe fritar um pouco (cerca de 2 minutos). Neste momento acrescente o vinho e mexa bem o arroz. Quando todo o vinho tiver sido absorvido pelo arroz, comece a juntar o caldo (a mistura de caldo de polvo e do camarão). Como o caldo do polvo é salgado (sal natural do próprio alimento, nunca adicione sal à cozedura do polvo), talvez não seja necessário acrescentar sal nenhum, mas prove e retifique se necessário.
Entretanto salteie os camarões com azeite e alho durante cerca de 4 minutos numa frigideira anti-aderente. Reserve.
Voltando ao risotto, vá sempre juntando caldo quente e mexendo sempre durante 15 a 18 minutos até o arroz estar muito cremoso, mas com o bago a sentir-se. Nunca junte grandes quantidades de líquido, vá juntando lentamente. No fim junte os camarões previamente salteados ao arroz e misture. Quando o arroz estiver cozido, apague o lume, junte a manteiga, mexa e junte o queijo ralado, mexa novamente. Polvilhe com coentros frescos picados e sirva com os tentáculos do polvo.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!