sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Brownies com pepitas de chocolate e flocos de aveia


A sugestão de hoje é doce e simples. Bem sei que vocês gostam sempre de um doce para o fim de semana, pois cá está ele! Estes quadrados de chocolate, brownies numa versão mais anglosaxónica, têm mel, pepitas de chocolate e flocos de aveia, são deliciosos. Talvez sejam bons para acompanhar café ou chocolate quente, com a lareira acesa, enquanto estamos enrolados em mantas no sofá a ver filmes. É que parece que este fim de semana está mesmo a pedir um programa assim... não para de chover e fazer frio!
Agora vou tirar o romântismo todo ao texto e dizer que não tenho lareira em casa, tenho ar condicionado, mas acreditem que aquece rápida e maravilhosamente e oferece o conforto suficiente para comermos os brownies com chocolate quente de qualquer das formas ;)
Tenham um bom fim de semana e não apanhem frio!

Ingredientes:
6 ovos inteiros
400 gr de açúcar mascavado
250 gr de farinha
60 gr de manteiga amolecida 
1 colher de chá de fermento em pó
50 gr de chocolate em pó
50 gr de cacau em pó
100 gr de chocolate negro
50 gr de mel
50 gr de flocos de aveia

Preparação:
Derreta apenas metade do chocolate negor em banho maria. 
Bater os ovos com o açúcar e a manteiga amolecida durante cerca de 5 minutos. Juntar o chocolate derretido (metade da tablette), o chocolate e o cacau em pó, bater novamente. Depois envolver a farinha com fermento e, por fim, os flocos de aveia e o restante chocolate negro cortado em pequenos pedacinhos (do tamanho de pepitas - eu corto com a faca em cima de uma tábua).
Coloque o preparado num tabuleiro retangular untado e forrado com papel vegetal. Leve ao forno pré aquecido a 180º durante cerca de 15 minutos. No fim desse tempo, retire do forno, desenforme e regue todo o bolo, ainda quente, com o mel. depois de ter arrefecido, corte em quadrados.

Bom apetite!

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Cogumelos salteados # Dicas sobre cogumelos


Eu só conheço uma pessoa que gosta tanto, ou mais do que eu, de cogumelos, que é a minha tia. Claro que há muitas pessoas que os adoram, mas eu falo por mim: gosto tanto, mas tanto de cogumelos, que nem sei dizer... ainda não os usei em sobremesas, mas qualquer dia é possível que me ocorra uma ideia ;)
Cá em casa confeciono e consumo cogumelos todas as semanas, quase sempre mais do que uma vez por semana. Preferencialmente frescos, raramente enlatados e quase nunca congelados, se bem que reconheço que é muito prático e permite ter este produto, que é sensível e dura pouco tempo no frigorífico, sempre à mão. Mas eu gosto de consumir tudo o mais fresco possível e como sei que uso os cogumelos com muita frequência, eles acabam por nunca se estragar nem ficar envelhecidos.
Os cogumelos eram muitas vezes utilizados, em zonas rurais e em tempos de menos abundância, por serem a única proteína disponível. Na realidade os cogumelos não têm a mesma percentagem de proteína da carne, por exemplo, mas têm alguma (cerca de 1,8 gr em cada 100 gr de produto) e são ricos em magnésio, cálcio, potássio, entre outros nutrientes. São muito ricos em água e em fibra e não têm colestrol, pelo que são indicados para quem quer perder peso. E são indicados para todas as pessoas pelo simples facto de serem deliciosos e de serem muito saudáveis!
Os cogumelos não são legumes, são fungos, que crescem sem raízes, folhas ou flores. Existem em muitas variedades, desde os cogumelos brancos, tipo Paris, que são os mais comuns, até aos portobello (grandes e bons para rechear), passando pelos cogumelos castanhos/marron, os shitake (de origem japonesa e muito saborosos) ou os porcini (os maiores na foto ao lado). Existem mais, estas são apenas algumas variedades. Eu gosto de todos os que provei até agora. Também gosto da sua versatilidade, utilizo-os simplesmente salteados, como entrada ou acompanhamento, como os uso em pratos de peixe, bacalhau (sim, fica lindamente com bacalhau!), carne, omeletas, quiches, bolos salgados, risotto, etc. Aqui no blog podem encontrar exemplos de todas estas refeições com cogumelos. Vejam AQUI e inspirem-se, pelo menos se são daquelas pessoas que gostam tanto de cogumelos como eu :)


Dicas para comprar:
#Escolha cogumelos de cor e consistência uniformes e que estejam firmes ao toque;
#Não compre os que já se apresentam murchos, com viscosidades, escuros ou com os pés amolecidos, significa que já não estão frescos e vão apodrecer rapidamente;
#Compre os cogumelos frescos necessários para o que pretende fazer a curto prazo, pois não aguentam mais do que uns 3 dias no frigorífico, não compre em excesso;
#Pode conservá-los dentro da embalagem ou enrolados num pano de cozinha seco, de forma a que não apanhem a humidade do frigorífico;
#Não vou dar dicas sobre a apanha de cogumelos silvestres, porque não tenho conhecimentos para tal, deixo apenas o alerta de que só devem apanhar cogumelos selvagens se tiverem grande conhecimento sobre o assunto, pois muitas espécies são venenosas. Só cerca de 10% dos cogumelos existentes em todo o mundo são comestíveis.

Dicas para arranjar:
#NÃO deixe os cogumelos de molho, pode lavá-los rapidamente debaixo da torneira, mas não os deixe de molho em água, pois perdem todo o sabor e nutrientes;
#Existem escovas próprias para escovar os cogumelos e lhes retirar a terra. Eu não tenho uma e não considero essencial porque a maioria dos cogumelos que compramos já vêm com muito pouca terra e, se tiverem terra, a solução será lavá-los rapidamente ou limpá-los bem com a faca e a ajuda de um papel de cozinha;
#Se não tiver a escova, pode, portanto, limpar os cogumelos delicadamente com a ponta de uma faca e a ajuda de um pano ou papel de cozinha. Retire algumas partes escuras que os cogumelos possam ter, a terra e também um pedacinho do pé, que normalmente está mais escuro e oxidado (deve cortar uma fina fatia do pé);
#Passe-os rapidamente por água corrente, só para tirar algum lixo, e, MUITO IMPORTANTE, seque-os. Ao secar os cogumelos, de forma delicada, bem entendido, vai garantir que eles não levam água extra para dentro da frigideira, o que faria com que ficassem moles e "cozidos";
#Faça este processo imediatamente antes da confeção e use os cogumelos, inteiros ou partidos, logo de seguida para que não oxidem.

Dicas para confecionar:
#Se gostam de cogumelos secos, hidratem-nos em água (estes sim, devem e têm que ficar de molho uma hora ou conforme instruções da embalagem) e depois aproveitem esse líquido como caldo para um risotto, uma massa, sopa ou molho. Atenção, pois o sabor destes cogumelos é, normalmente, muito intenso.
#Atenção ao sal e aos cogumelos. Devem ser temperados para adquirir sabor, mas como absorvem muito o sal, há que ser comido. Mais vale pôr de menos, provar e voltar a adicionar se necessário.
#Para os saltear, deite um fio de azeite ou uma colher de sopa de manteiga numa frigideira anti-aderente. Quando estiver bem quente, mas não excessivamente para não queimar, junte os cogumelos inteiros, partidos ao meio ou laminados, conforme o gosto de cada um e o tamanho dos cogumelos. Devem frigir quando entram na frigideira (devemos ouvir o fritar quando há o choque térmico), mas sem exageros. Se o azeite estiver pouco quente, os cogumelos começam a deitar água, a suar e vão estufar. Se a gordura estiver quente demais, os cogumelos podem queimar. Em relação à gordura, deve ser usado o mesmo bom senso: gordura a mais vai estufar os cogumelos, deixando-os empapados, enquanto gordura a menos vai fazer com que queimem. Depois do choque térmico inicial, vá agitando a frigideira ou mexendo com colher de pau. Baixe ligeiramente o lume, se necessário. Tempere com sal e pimenta e junte ervas aromáticas a gosto, os coentros, a salsa, o tomilho, são boas opções. Dê largas à imaginação! Cozinhe os cogumelos até estarem macios, mas não demasiados moles. Isto vai depender do tamanho dos pedaços, no entanto, cerca de 8 a 10 minutos são mais do que suficientes para saltear cogumelos.
#Para grelhar, eu gosto dos pleurotos. Tempero só com umas pedras de sal e grelho na chapa ou grelhador elétrico, é delicioso.
#Para rechear, os portobello grandes são ideais, basta rechear com o que preferir e levar ao forno cerca de 15 minutos para o cogumelo cozinhar e gratinar.
#Para risottos e massas, utilizo os brancos ou marron ou então outras variedades com mais sabor, como os enokitake (os mais pequenos, que se encontram juntos em "molhos") ou shitake. Muitas vezes encontra-se à venda no LIDL embalagens com cogumelos variados a um preço acessível.
#Também gosto de juntar cogumelos a pizzas, a saladas e a pratos de carne e peixe. Se os juntar a um estufado, faça-o só no fim para que não fiquem moles e cozinhados demais. Por exemplo no caso de um frango: pode saltear os cogumelos com bacon ou chouriço para ganhar sabor, mas depois retire e reserve, estufe o frango e volte a juntar os cogumelos no fim para tudo ficar envolvido no molho e nos sabores do cozinhado.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!






sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Tarte de batata doce e abóbora



Esta foi uma daquelas receitas de improviso e aproveitamentos. Fiz esta tarte para aproveitar umas folhas de massa philo, antes que passassem do prazo de validade, para aproveitar o resto da compota de abóbora que tinha feito para ESTE PUDIM, que também é delicioso, e ainda para aproveitar uma batata doce que tinha sobrado de uma preparação de prato principal.
Rendeu uma tarte pequena, ideal para o nosso fim de semana a dois. É sempre bom ter um docinho para o fim de semana :) Como hoje é sexta feira, também quis partilhar convosco. Espero que gostem.

Ingredientes:
300 gr de batata doce (pesada depois de cozida, em cru terá cerca de 400 gr)
300 gr de compota de abóbora (veja a receita AQUI)
100 gr de açúcar mascavado
4 ovos L inteiros
Raspa de 1 limão
3 folhas de massa philo
Manteiga qb
Preparação:
Coza a batata doce com pele e depois descasque-a e esmague com um garfo até ficar bem desfeita. Deite a batata doce já esmagada numa tigela, junte a compota de abóbora, o açúcar e a raspa da casca de 1 limão (só o vidrado amarelo). Misture tudo bem com uma colher de pau. Vá juntando os ovos um a um e batendo sempre com a colher de pau.
Por fim, pincele cada folha de massa philo com manteiga derretida e sobreponha mais uma folha, quando tiver as 3 folhas "coladas", forre a tarteira com elas. Deite o preparado em cima da massa e ajeite à volta para fazer um círculo. Leve ao forno pré aquecido a 190º entre 25 a 30 minutos ou até ver que a massa está tostada e o interior cozinhado. Tenha em atenção que, depois de arrefecer, o recheio interior vai solidificar e secar mais um pouco.
Esta tarte fica densa, mas húmida com o exterior crocante. É muito fácil de fazer, rápida e fica uma delícia! 

Nota: Se pretenderem uma tarte grande, de tamanho standard, dupliquem as quantidades. A tarteira que utilizei tem cerca de 20 cm de diâmetro.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Bacalhau com mexilhões e pão frito


O bacalhau vai bem com tudo, já se sabe. Com tudo mesmo! E com marisco... melhor ainda! Eu gosto de todos os mariscos, como já disse por aqui várias vezes. Os mexilhões são uma opção económica e muito saborosa. Encontro muitas vezes frescos, bastante baratos, mas estes eram congelados, daqueles "meia concha", também muito bons. Atenção ao cozinhá-los, muito poucos minutos, 2 a 3, para não secarem. O mesmo em relação ao bacalhau, fica pronto em 10 minutos e mais do que isso é para o estragar. Desde que me aperfeiçoei a confecionar bacalhau, deixando-o lascado e suculento, ainda me dá mais prazer comê-lo. É como tudo... é bom, mas, quando é bem feito, é maravilhoso! E não é preciso muito para deixar o bacalhau uma delícia, produtos simples são suficientes para fazer um grande petisco. Ora vejam ;)

Ingredientes para 2 pessoas:
2 postas do lombo de bacalhau
1 cebola grande
3 tomates maduros
2 dentes de alho
1,5 dl de azeite
1 molhinho de salsa e coentros frescos
2 fatias de pão tipo alentejano ou do género
6 a 8 mexilhões meia concha

Preparação:
Pique a cebola, os alhos e o tomate depois de pelado. Deite o azeite num tacho e junte os ingredientes picados. Deixe refogar levemente cerca de 3 minutos. Junte o bacalhau, tape o tacho e deixe o bacalhau estufar em lume médio com o tacho fechado. Nos últimos 3 minutos, junte os mexilhões e deixe cozinhar da mesma forma, com o tacho fechado. No fim desse tempo, retire o bacalhau, deixe o molho apurar mais uns minutos, retifique temperos. Eu não tive necessidade de adicionar mais nada porque o sal do bacalhau foi suficiente. Por fim, triture a cebolada com a varinha mágica, de forma a obter um molho cremoso. 
Corte as fatias de pão em tiras da espessura de um dedo e frite-as em azeite.
Sirva o bacalhau com os mexilhões, o molho e o pão frito. Polvilhe tudo com salsa e coentros picados.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

 
 

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Sugestões para o Dia dos Namorados

Vão para a cozinha e impressionem a vossa cara metade. Conquistem-na pelo estômago todos os dias e no Dia dos Namorados também :)
Ou então vão jantar fora, passear, ao cinema... e não tenham trabalho nenhum, que é uma coisa que faz muito bem aos namorados e às pessoas em geral!
Mas, se quiserem caprichar, eu dou uma ajuda com estas sugestões. Não são complicadas, podem prepará-las e ainda sobra tempo para o namoro. Divirtam-se, namorem também à mesa e partilhem. Partilhem sorrisos, conversas, refeições deliciosas. Se gostamos de comer bem, mimar os outros e ser felizes nos outros dias, porque não neste? Eu penso assim! Não dou especial importância ao 14 de fevereiro, como não lha retiro. É mais um pretexto para uma boa refeição e momentos felizes em conjunto.



terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Enroladinhos de camarão e pescada com lacinhos cremosos



Estes camarões estão enroladinhos nos filetes de peixe. Estão enroscadinhos, aconchegados. Como namorados! Por isso é que os escolhi como sugestão de prato principal para o Dia dos Namorados. É uma refeição rápida de fazer, leve e deliciosa. Podem prepará-la para a vossa cara metade e ainda sobra tempo para porem uma mesa bonita, para se porem bonitos(as), para acender uma vela e pôr a sala à meia luz. Apaixonem-se e bom apetite!

Ingredientes para 2 pessoas:
4 filetes de pescada
250 gr de miolo de camarão  grande
100 gr de massas lacinhos
1 pacote de nata de soja - 200 a 250 ml (ou nata comum)
Sal e pimenta qb
Cebolinho fresco qb
2 colheres de sopa de manteiga
1 cebola média
1 pedaço de gengibre fresco com 5 cm

Preparação:
Comece por cozer a massa em água e sal. Enquanto a massa coze, cozinhe uma cebola picada muito finamente em manteiga. Não deixe ganhar cor, a cebola deve refogar só até amolecer. Entretanto tempere os filetes com sal, pimenta e o gengibre ralado. E enrole um camarão em cada filete, prendendo com um palito, de forma a obter rolinhos. Quando a cebola estiver transparente, junte à frigideira os rolos de pescada e os restantes camarões. Retifique de sal e pimenta, eleve um pouco o lume e deixe saltear durante 2 minutos. Depois reduza novamente o lume e vá juntando as natas até o peixe estar cozinhado e o molho grosso. Demora cerca de 8 minutos a ficar pronto. Não deixe o peixe cozinhar demais para não secar, assim que estiver todo branco (e não translúcido), está pronto.
Por fim, coloque as massinhas (depois de escorridas) num prato fundo, envolva-as com parte do molho do peixe. Junte o peixe, os camarões e o restante molho por cima e polvilhe com cebolinho fresco picado. Sirva de imediato.

Bom apetite e feliz semana dos namorados!


sábado, 6 de fevereiro de 2016

Creme brulée de laranja e baunilha # Dia dos Namorados




Provei pela primeira vez este leite creme num workshop com o Chef Avillez. Adorei. Adorei o leite creme, a companhia, o almoço, as conversas, a aprendizagem, tudo! Depois provei-o no restaurante "Cantinho do Avillez" e voltei a adorar, estava igual e regularmente delicioso. Depois encontrei a receita no blog "Há alguém mais gulosa do que eu", em que a Mafalda Agante tem a generosidade de partilhar dicas e receitas de restaurantes e chefs para que possamos dar cartas na cozinha de nossa casa e fazer um figurão em frente aos amigos.
E algumas são receitas maravilhosas, mas simples e fáceis de confecionar. Como esta. Acho que é uma excelente sugestão para terminar uma refeição no Dia dos Namorados ou noutro dia qualquer em que queiram partilhar comida boa com a vossa cara metade. É um leite creme (ou creme brulée, dado que vai ao forno) aromático, delicado e maravilhoso. Espero que gostem, não deixem de experimentar porque vão apaixonar-se por esta sobremesa, de certeza.

Ingredientes para 4 pessoas:
50 ml de leite
300 ml de natas
55 g de açúcar demerara (usei açúcar branco)
4 gemas de ovo
2 colheres de sopa de sumo de laranja
1 a 2 vagens de baunilha
Vidrado de laranja q.b. (sem a parte branca - usei 3 cascas)
Açúcar demerara q.b. para queimar (usei mascavado)

Preparação:Aqueça o forno a 150°C. Leve o leite ao lume juntamente com 100 ml de natas. Abra a vagem de baunilha ao meio e, com a ajuda de uma faca, retire bem as sementes. Acrescente ao leite as sementes de baunilha, a vagem, a casca de laranja e deixe que comece a fervilhar. Numa taça, bata as gemas com o açúcar. Retire o leite aromatizado do lume e junte a restante nata fria e o sumo de laranja. Envolva bem e acrescente progressivamente às gemas envolvendo sempre com umas varas. Coe por um passador fino e distribua o preparado pelas taças enchendo cada uma até dois terços. Coloque as taças num tabuleiro de forno. Com cuidado, encha o tabuleiro com água quente até metade da altura das taças e leve ao forno a cozer durante 40 minutos, aproximadamente. O creme deve ficar firme, mas com uma pequena ondulação ao centro (quando arrefecer, o creme irá assentar). Retire do forno e deixe arrefecer à temperatura ambiente. Logo que as taças estejam frias, reserve no frigorífico até pouco antes de servir (pode conservar estes cremes refrigerados até 3 dias). Retire as taças do frigorífico 10 minutos antes de servir. Polvilhe com açúcar demerera e caramelize com a ajuda de um maçarico. Sirva de imediato.

Bom apetite!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Linguine com pesto, salmão estufado e ricota



Como gosto mesmo muito de massas, foi com enorme prazer que experimentei estas massas com sabores da Milaneza. São pastas secas com pesto, caril, azeitona, etc, uma gama diferente, muito saborosa e que permite pratos suculentos. Como a massa já tem cor, aroma e muito sabor, até dispensa molhos e muitas preparações. No entanto, como sou muito gulosa e adoroooo molho pesto, ainda juntei mais pesto ao sabor a pesto da massa :) Mas garanto-vos que o linguine é delicioso só por si, tem uma textura perfeita e um sabor subtil a alho e ao pesto maravilhoso, adorei!
Espero que gostem a sugestão, é um prato muito rápido de fazer, saudável e fica um petisco!

Ingredientes para 4 pessoas:
350 gr de linguine com pesto da Milaneza
Meio molho de espinafres frescos (folhas e caules)
Uma mão cheia de folhas de manjericão fresco
1 dl de azeite
8 amêndoas sem pele
3 colheres de sopa de queijo parmesão ralado (ou um pedaço único de quantidade equivalente)
Sal e pimenta qb
Sumo de limão qb
2 colheres de sopa de manteiga sem sal
800 gr de lombos de salmão
6 colheres de sopa de queijo ricota cremoso

Preparação:
Coza a massa de acordo com as instruções da embalagem, de forma a que fique "al dente" ou a seu gosto. Escorra, envolva com um fio de azeite e reserve.
Lave os espinafres e o manjericão e coloque tudo numa picadora ou processador de alimento. Junte as amêndoas, o azeite, sal e pimenta e o queijo parmesão. Triture, retifique temperos e volte a triturar até obter o molho pesto. Envolva metade do molho na massa e misture bem. Ao restante molho adicione o ricota cremoso. Reserve para servir com o salmão.
Tempere os lombos de salmão com sal, pimenta e sumo de limão. Deite a manteiga numa frigideira anti-aderente e estufe aí o salmão em lume brando e com a pele virada para baixo, durante 7 a 12 minutos conforme a altura dos lombos. Depois lasque o salmão, retire peles e espinhas e sirva as lascas de peixe estufado com o linguine e o molho pesto com ricota.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!