sexta-feira, 26 de junho de 2015

Taças de melão com crumble de amêndoa e coco tostado



Esta sobremesa fica super fresca, não é demasiado doce, nem sequer leva açúcar além do naturalmente presente nos ingredientes. Leva algum mel e muita fruta. É ótima para dias de calor, deve ser comida geladinha, de preferência a seguir a um jantar no terraço ou numa esplanada ;)
As quantidades indicadas servem 6 taças de tamanho médio.
Para o crumble:
150 gr de bolachas digestivas
4 colheres de sopa de amêndoa triturada
4 colheres de sopa de coco tostado adocicado (se não encontrar, use o coco ralado cru)
4 colheres de sopa de Becel líquida ou manteiga derretida

Para o creme do pudim:
2 iogurtes naturais sem açúcar
2 a 4 colheres de sopa de mel (ajustem a quantidade de mel conforme o vosso gosto e a doçura do melão)
400 gr de melão + bolinhas a gosto para decorar (também pode ser meloa)
4 folhas de gelatina incolor
0,5 dl de leite

Bolinhas de melão, coco ralado tostado e folhas de hortelã para decorar.

Preparação:
Na picadora ou processador de alimentos deite as bolachas partidas em pedaços, a amêndoa, o coco e a margarina ou manteiga. Triture até obter um crumble. Deite 3 a 4 colheres de sopa do preparado em cada taça de vidro e calque ligeiramente (não gaste todo o crumble aqui, reserve o resto). 
Faça o creme/pudim. Coloque as folhas de gelatina a demolhar em água fria até estarem hidratadas (cerca de 5 minutos). Retire a casca ao melão, corte em cubos, coloque-o no processador de alimentos. Junte os iogurtes, o mel e triture tudo até ficar uma espécie de batido. Reserve numa taça. Aqueça o leite no microondas e deite lá as folhas de gelatina já hidratadas, misture até se dissolverem totalmente. Junte esta mistura ao preparado de melão. Com muito cuidado deite esta mistura em cima do crumble (cerca de 3 conchas por taça). Leve ao frigorífico até o creme solidificar numa espécie de pudim. 
Retire do frio e deite uma colher de sopa de crumble em cada taça. Coloque 3 bolinhas de melão em cada dose, polvilhe com coco ralado tostado e decore com hortelã. Sirva bem frio.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!


quinta-feira, 25 de junho de 2015

Sumos e batidos de verão




Conjugar frutas e vegetais em batidos ou sumos só depende da nossa imaginação e dos ingredientes que temos em casa. Fiquem com algumas sugestões e inspirem-se para fazer bebidas fresquinhas para estes dias de verão!

BATIDO DE MORANGO: 6 morangos, 2 dl de leite, 1 colher de chá de mel, 3 pedras de gelo

SUMO DE LARANJA E LIMA: 3 laranjas, meia lima, gelo
SUMO DE MELÃO E ANANÁS: 1 fatia de melão grande, 1 rodela de ananás grande, 1 dl de água, 2 folhas de hortelã, gelo
 
SUMO VERDE: 1 mão cheia de folhas de espinafres, meia banana, meia cenoura, 1 laranja, 1,5 dl de água, gelo 

(Triturar tudo com a varinha mágica ou no liquidificador).

Acessórios à venda na loja Teresa Porém.



quarta-feira, 24 de junho de 2015

Filetes de sardinha com pimento e migas de broa



Esta é mais uma receita estival, que foi feita para o dia de de São João e tem um dos ingredientes que mais adoro: sardinhas! Gosto mesmo muito, muito, muito de sardinhas de todas as maneiras, sendo que assadas, a pingar no pão, talvez seja a melhor forma de as comer. O meu record de comesaina de sardinha foram umas 20 na mesma refeição, em Peniche, num jantar de férias em que comi sardinhas até enjoar... não, que eu nunca me enjoo de sardinhas, mas comi muitas!
Numa outra ocasião, em Sesimbra, estava em trabalho e serviram-me umas sardinhas pequenas (normalmente gosto delas grandes e gordas), muito boas, e dessa vez também comi muitas. Estavam deliciosas. No fim do repasto o dono do restaurante achou tanta graça ao ar deliciado com que eu comia as sardinhas em cima do pão, que foi dar "um calorzinho" à fatia de pão com o molho das sardinhas. Um calorzinho na brasa de assar as sardinhas e o pão transformou-se num dos petiscos mais maravilhosos que já provei! Uma espécie de torricado com sabor a sardinha, tão simples e tão bom. 
Voltando à receita, desta vez quis inovar e juntei sardinhas, pimento, broa e salada de tomate numa preparação um pouco diferente. Espero que gostem da sugestão.

Ingredientes para 4 pessoas:
12 sardinhas
2 pimentos verdes
600 gr de broa de milho amarelo
300 gr de tomate cereja
1 molho de coentros
3 dentes de alho
0,6 dl de azeite
Sal qb
Vinagre qb
Sumo de lima qb

Preparação:
Comece por retirar os filetes das sardinhas e retire também o máximo de espinhas que conseguir com a ajuda de uma pinça própria. Tempere os filetes de sardinhas com sumo de lima e um pouco de sal. Faça uns rolinhos e leve a grelhar só poucos minutos (2 a 3), pois os filetes são muito finos e não os queremos deixar secos. Também pode assá-los e enrolá-los depois.
Asse também os pimentos, depois retire a pele e corte-os ao meio, servindo uma metade a cada pessoa.
Numa frigideira coloque o azeite, alhos esmagados e coentros picados. Junte a broa de milho esfarelada e faça uma espécie de migas com esta mistura. Quando estiverem macias e com todos os ingredientes bem envolvidos, deite as migas dentro das metades de pimento. Sirva com os filetes de sardinha e com uma salada de tomate cereja temperado com azeite, vinagre, sal e coentros frescos.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!



terça-feira, 23 de junho de 2015

Rolinhos de salmão e requeijão Saloio em courgette grelhada



Comida fresca, comida de verão! Pratos com cor, sabor e, ao mesmo tempo, leves e que fiquem bem num petisco de fim de tarde ou numa entrada para um jantar entre amigos. É isso que se quer quando começa o verão :)
Sejam grelhados, saladas, petiscos ou sobremesas, a estação mais quente pede pratos mais fresquinhos e é esse tipo de receitas que vou partilhar convosco durante os próximos dias, agora que começou a estação que mais adoro: o verão! O tempo frio tem coisas bonitas e um conforto especial, a primavera é verde e florida, é graciosa... Mas o verão tem tudo o que mais me agrada e deixa feliz: calor, praia, bom tempo, dias enormes, jantares no terraço, esplanadas... ficava aqui o resto do dia a enumerar tudo o que me apaixona no verão. Mas vocês não querem conversa, querem é a receita e fazem bem ;) Espero que a ideia vos agrade!

Ingredientes (quantidades para utilizar 1 courgette inteira):
1 courgette com casca
300 gr de salmão fumado
150 gr de Requeijão Alho e Ervas para Barrar da Saloio
Sal e pimenta qb
Sumo de lima ou limão qb
 

Preparação: 
Lave a courgette e deixe-a com a casca. Corte-a em fatias bem finas com uma faca afiada ou o descascador. Leve a grelhar sem sal para o legume não libertar água. Grelhe por muito pouco tempo para não queimar as fatias muito finas e depois retire-as do grelhador. Tempere com um pouco de sal fino apenas de um dos lados das fatias de courgette.
Em cima de uma tábua, corte o salmão grosseiramente com uma faca. Tempere com umas gotas de lima ou limão. Não adicione sal porque o salmão fumado já é salgado. Deite o salmão numa taça e misture muito bem com o queijo creme. Se for queijo simples, pode adicionar uma erva aromática picada (salsa ou cebolinho). Tempere com pimenta moída na altura e envolva tudo bem.
Coloque um pouco de queijo creme em cada fatia de courgette (do lado do legume que não levou sal) e enrole. Espete um palito ou garfinho decorativo em cada rolinho.
Decorei com folhinhas de manjerico. Também pode ser servido com molho de iogurte natural.
Os acessórios são da Teresa Porém.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!



quinta-feira, 18 de junho de 2015

Bavaroise de chocolate branco e cerejas



Esta sobremesa foi o culminar de uma petiscada fantástica entre amigos. Caracóis, chouriço assado, queijos, tudo isto entre banhos de piscina e assim se passou uma tarde maravilhosa! A sobremesa desapareceu em muito poucos minutos...
Para a fazer inspirei-me numa receita de bolo de cereja e chocolate branco do blog Cinco Quartos de Laranja (ver AQUI). Só não fiz o bolo porque preferi algo mais fresquinho, de qualquer forma valeu (e muito) a inspiração dada pela Isabel :)


Ingredientes:
0,5 kg de cerejas (pesadas com caroço)
5 claras de ovo
Sumo de meio limão
1 lata de leite condensado magro Nestlé
200 gr de chocolate branco Nestlé
1,5 dl de leite magro
10 folhas de gelatina incolor
150 gr de manteiga sem sal

Preparação:
Derreter o chocolate com a manteiga em banho maria. Juntar o leite condensado e misturar bem. Deixar este preparado arrefecer. Hidratar as folhas de gelatina em água fria por 5 minutos. Aquecer o leite e dissolver nele as folhas de gelatina depois de hidratadas. Misturar bem e juntar ao preparado anterior depois deste ter arrefecido. Por fim bater as claras em castelo com o sumo de limão e envolver delicadamente no preparado de chocolate e leite condensado. Deitar tudo numa forma redonda de paredes e fundo amovível (a forma deve ser previamente untada com óleo vegetal). Depois do preparado estar na forma, deitar sobre toda a superfície as cerejas previamente descaroçadas. Elas "afundam" naturalmente na mousse. Reserve apenas algumas para enfeitar. Leve ao frio durante 3 a 4 horas. A meio do tempo coloque por cima da bavaroise as cerejas que reservou, que devem ficar no topo. No momento de servir polvilhe com raspas de chocolate branco ou coco ralado. Deve ser comido bem fresco.

Bom apetite!





terça-feira, 16 de junho de 2015

Rascasso no forno com puré de beterraba



Eu adoro peixe! Já o tenho dito aqui várias vezes e é verdade, gosto de todo o tipo de peixes e mariscos, tudo o que vem do mar para mim é abençoado! Este peixe, o rascasso, tem algumas semelhanças com o cantaril. É um peixe de carne branca e firme e tem um sabor estupendo porque se alimenta de marisco. Não é parvo, o rascasso... Eu também gosto de marisco e como muitas vezes, apesar dele não andar assim "à boca de semear" para mim como anda para o rascasso.
Bom, seguindo com a  receita... confecionei este rascasso no forno, mas envolto em papel vegetal para ficar bastante suculento e não secar, que é como o peixe é bom! Fiz um acompanhamento muito de verão, com um puré frio de beterraba e salada de espinafres.
Se o rascasso pode não ser muito conhecido de algumas pessoas, a beterraba é conhecida mas, muitas vezes, preterida porque muitas pessoas consideram que sabe a terra. Esta forma de temperar o puré elimina qualquer sabor a terra, fica um acompanhamento fresco e delicioso. Experimentem!

Ingredientes para 2 pessoas:
Um rascasso com 800 a 1000 gr
2 beterrabas
Sal qb
Sumo de limão qb
Oragãos secos qb
Azeite qb
Folhas de espinafres

Para o puré de beterraba: 1 beterraba por pessoa (utilizei das que se vendem já cozidas para facilitar, mas podem cozê-las com água e sal). Triturar a beterraba cozida num processador de alimentos ou com a varinha mágica. Juntar sumo e raspa de limão a gosto (cerca de meio limão por cada duas beterradas). Juntar oregãos e uma pitada de sal. Misturar tudo e servir frio.

Para o rascasso no forno: peça para escamarem e arranjarem o peixe na peixaria, mas deixe-o inteiro. Coloque uma folha grande de papel vegetal sobre um tabuleiro de forno. Coloque o peixe lá dentro temperado com sal, orégãos e um fio de azeite. Feche o papel vegetal e leve ao forno a 200º cerca de 30 minutos (um pouco mais se o peixe for muito grande, neste caso tinha cerca de 800 gr). No fim do tempo retire os filetes/lombos do peixe e sirva um por pessoa acompanhando com o puré de beterraba e uma salada de espinafres crus. Polvilhe tudo com mais um pouco de oregãos.
Regue o peixe com molho de manteiga e limão com orégãos ou com azeite, se preferir.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!





domingo, 14 de junho de 2015

Bolo de iogurte com frutas desidratadas





Quem se lembra do tradicional bolo de iogurte feito pela mãe ao domingo à tarde? Eu lembro-me bem e fui recuperar essa receita, feita sem balança e apenas com a medida do iogurte como referência. Ficou ótimo, fofo e saboroso, o bolo indicado para um domingo à tarde. Principalmente num dia como o de hoje, em que a chuva convida a ficar no sofá a ver filmes...
Tinha cá em casa umas frutas desidratadas que comprei num mercado e usei-as para enriquecer e transformar ligeiramente este bolo. Espero que gostem.
Ingredientes:
3 iogurtes naturais sem açúcar (usei magros, 300 gr de iogurte no total)
3 medidas de açúcar branco (usar a medida do iogurte)
3 medidas de farinha de trigo (usar a medida do iogurte)
1 colher de chá de fermento em pó
Meia medida de óleo vegetal (usei óleo de girassol)
5 ovos
Frutas desidratadas a gosto (ou frescas, em alternativa)
1 colher de sobremesa de mel (usei mel de eucalipto)

Preparação:
Separe as gemas das claras. Bata as gemas com 2 medidas de açúcar. Se quiser o bolo mais fofo e alto, como ficou o meu, bata com a batedeira elétrica até obter um creme esbranquiçado. Se preferir o bolo mais húmido, bata à mão com colher de pau. De seguida junte o óleo e metade da quantidade total de iogurte, continuando a bater. Bata as claras em castelo com a outra medida de açúcar e junte aqui o fermento (para fazer crescer mais o bolo).
Adicione a farinha peneirada ao preparado inicial, intercalando-a com colheradas de claras batidas em castelo. Leve ao forno a 190º por 40 minutos (faça o teste do palito para ver se o bolo está cozido). Deixe mais 5 minutos no forno com a porta entreaberta.
Depois desenforme o bolo e deixe-o arrefecer completamente. Bata o iogurte que sobrou com o mel, deite este preparado por cima do bolo e enfeite com as frutas desidratadas, que serão comidas juntamente com o bolo e lhe oferecem um toque muito especial.
 
Bom apetite e bom domingo!




sábado, 13 de junho de 2015

Bacalhau açoriano à minha moda (com pimenta da terra)




Chamei "Bacalhau Açoriano" a este prato porque fiz a tomatada ligeiramente picante com a pimenta de terra que trouxe recentemente dos Açores. Além disso, acompanhei com batata doce, também muito utilizada no arquipélago. Apesar de não ter comido este prato quando estive de férias em São Miguel, tive a ideia de confecionar o bacalhau assim. Só posteriormente vi, em pesquisas na internet, que existe uma receita de bacalhau frito à açoriana muito parecida com esta. Fiquei orgulhosa de ter "inventado" um prato que afinal já estava inventado, mas que comprova que mais alguém acha esta conjugação de sabores muito boa!
Quando estive de férias nos Açores adorei a gastronomia. Comida bem condimentada, muito saborosa e diversificada. Gostei muito desta pimenta da terra, que os açorianos adicionam em vários pratos, tanto de carne, como de peixe. Provei várias receitas tradicionais, como os chicharros fritos recheados, a alcatra e mariscos como as lapas, cracas ou cavacos. Foram umas férias gastronómicas magníficas!

Ingredientes para 4 pessoas:
4 lombos de bacalhau pronto a cozinhar Riberalves
1 cebola
6 a 8 tomates de cacho bem maduros (cerca de 700 gr de tomate)
1 dl de azeite
4 dentes de alho
2 colheres de sopa de pasta de pimenta da terra (usei pasta de pimenta da terra cozida, na ausência deste produto, utilize picante a seu gosto) 
1 raminho de salsa fresca 
1 ovo, farinha e pão ralado qb para panar o bacalhau
Meio limão (sumo)
Uma colher de chá de vinagre de vinho
Batata doce e alface para acompanhar
Preparação:
Deixe os lombos de bacalhau Riberalves a descongelar no frigorífico de um dia para o outro. No momento de cozinhar, seque-os bem com um pano. Tempere ligeiramente com gotas de limão (poucas). Aqueça óleo ou azeite numa frigideira (cerca de 160º - 170º). Passe os lombos de bacalhau por farinha, ovo batido e, por fim, pelo pão ralado. Coloque os lombos a fritar e vire-os de todos os lados para que cozinhem e fiquem dourados uniformemente. No total este processo deve demorar cerca de 5 minutos, é o suficiente para o bacalhau ficar dourado e cozinhado por dentro sem que fique demasiado seco.
Faça a tomatada picante. Numa frigideira funda ou tacho deite o azeite, os alhos laminados e a cebola picada finamente. Deixe começar a cebola e alhos a "estalar" e reduza ligeiramente o lume para que não se queime. Deixe alourar cerca de 2 minutos e depois junte os tomates pelados e desfeitos. Tempere de sal. Junte a pasta de pimenta da terra. Eu juntei 2 colheres de sopa, mas fui adicionando esta quantidade lentamente e provando para o molho não ficar demasiado picante. Deixe apurar bastante bem esta tomatada. No fim junte uma pequena colher de vinagre para refrescar e dar acidez.
Corte a batata doce em rodelas grossas, frite-as e depois tempere com sal fino. Também pode servir com batata ou inhame cozido (penso que nos Açores é assim que servem este bacalhau frito, pois têm inhame e confecionam este acompanhamento com muita frequência).
Sirva o bacalhau panado com bastante molho de tomatada, juntamente com a batata doce e a salada de alface. Refresque tudo com salsa fresca picada.

Bom apetite! comam bem e de forma saudável!






quinta-feira, 11 de junho de 2015

Horta da Terra



Comi uma horta deste género, com "terra" e legumes, há uns meses no restaurante "O Talho". Eu adorei, principalmente a "terra", e até o meu marido, não sendo grande apreciador de vegetais, gostou imenso da entrada. Sabia bem, mas a verdade é que não fazíamos ideia do que estávamos a comer. Os legumes e vegetais eram conhecidos, mas a terra permaneceu uma incógnita.
Na altura não fui pesquisar nada sobre o assunto, limitei-me a comer e usufruir e foi só uns meses mais tarde que a minha atenção voltou a ser despertada para a questão da "terra comestível". No Congresso dos Cozinheiros, onde se podem inscrever pessoas que não são cozinheiros profissionais, como eu, um Chef referiu que fazia a "terra" à base de azeitona e amêndoa torrada. Achei que estava na altura de experimentar e assim fiz. Saiu bem à primeira, o que me deixou muito contente. O "truque" está na proporção entre a azeitona e a amêndoa e em desidratar/secar tudo no forno a uma temperatura baixa. Fiz o prato só para mim e para o meu marido, para experimentar, mas acho que que esta é uma entrada que vai fazer sucesso entre os amigos.
Usem os legumes da época e deem largas à imaginação. Não se inibam de experimentar. Eu sou uma simples cozinheira amadora, mas a curiosidade e vontade de aprender são um incentivo, mesmo para quem sabe pouco. Não tenho um restaurante aberto, por isso... se sair mal ninguém reclama :) E quando sai bem, faço o pessoal cá de casa feliz! Inspirem-se!
Ingredientes para uma entrada para 4 pessoas:
60 gr de amêndoa pelada e torrada
120 gr de azeitonas pretas descaroçadas (pesadas já sem caroço)
1 colher de chá de oregãos secos
10 gr de sementes de chia
Pimenta preta qb
Legumes a gosto (outras possibilidades além dos que usei: ervilhas, couve romanesco, pequenos nabos, raminhos de bróculos, etc)

Para fazer a terra:
Utilize sempre sensivelmente o dobro da quantidade de azeitonas em relação à amêndoa torrada. Triture tudo num processador de alimentos ou picadora juntamente com uma colher de chá de oregãos secos ou outra erva a gosto (manjericão, salsa seca tomilho, etc). Depois dos ingredientes triturados, junte as sementes de chia, sésamo preto ou papoila (devem ser sementes escuras, muito pequenas). Tempere ainda com um pouco de pimenta moída na altura e misture tudo.
Neste momento o preparado estará pastoso devido à oleosidade das azeitonas e das amêndoas trituradas. Espalhe bem o preparado num tabuleiro forrado com papel vegetal e leve ao forno a 125ºC durante 75 minutos. A meio do tempo mexa e volte a espalhar bem o preparado para que seque uniformemente.
No fim do tempo, retire do forno e deixe arrefecer. O preparado deve estar seco e granuloso, mas deve existir ainda alguma  humidade, que é o que vai dar o aspeto de terra húmida. Depois de totalmente arrefecido volte a triturar a mistura na picadora por breves segundos (só para desfazer os "torrões" e ficar granuloso e uniforme). Depois coloque na travessa onde vai servir e disponha os legumes por cima.

Legumes da horta: Pode usar os legumes que que preferir, desde que sejam servidos em pedaços pequenos. Usei favas frescas, couve flor, cenouras baby e caules e ramas de beterraba. As favas, couve flor e cenouras foram bringidas (cozedura muito rápida para ficarem num ponto rijinho) e depois caramelizadas com um pouco de azeite na frigideira. Os caules e folhas de beterraba foram salteados rapidamente na frigideira só com azeite e sal. Retirei a pele às favas depois de as bringir (escaldar) e antes de as passar no azeite quente. Os legumes devem ficar crocantes e não muito moles nem demasiado cozidos. Escolham uma combinação que dê diferentes cores ao prato, pois fica mais bonito.
Por fim, resta empratar conforme o gosto e a imaginação de cada um. Eu acho que este prato faz uma entrada muito bonita, mas também pode ser servido como acompanhamento de uma carne, por exemplo.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!