segunda-feira, 30 de março de 2015

Ninhos de Páscoa com mousses de dois chocolates


Ninhos de ovos, coelhos, cenouras... o que é que isto tudo tem a ver com a Páscoa? Não faço ideia! A Páscoa é uma celebração cristã que assinala a morte e ressurreição de Cristo, tempo de "passagem" no sentido da mudança, tempo de reflexão e reconciliação. Para os cristão deve ser isto, para todos, crentes ou não, alguma reflexão e aproximação aos valores que nos sustentam, não fará mal a ninguém... Para todos os outros e para os gulosos em geral, a Páscoa é mais é chocolates ;) Vamos lá a isso, então!

Ingredientes para 4 ninhos:
100 gr de massa kadaif
200 gr de chocolate com 40 a 50% cacau (usei Nestlé Sobremesas 44% cacau)
100 gr de manteiga sem sal
100 gr de bolacha tipo maria
100 gr de amêndoa torrada + algumas para decorar
200 gr de chocolate branco Nestlé Sobremesas
50 gr de nata gorda
50 gr de leite de coco espesso (creme de coco)
Cacau em pó qb
Coco ralado qb

Preparação:
Derreter o chocolate negro em banho maria com a manteiga. Juntar as bolachas esmigalhadas e as amêndoas cortadas grosseiramente. Misturar e amassar bem, deixando depois a massa a repousar 60 minutos no frio para ficar consistente.
Derreter em banho maria o chocolate branco. Juntar as natas e o leite de coco num tacho e ferver. Assim que levantar fervura, desligar o lume, deixar arrefecer um pouco e juntar este preparado ao chocolate branco. Colocar numa taça e reservar no frio. Este preparado é uma mousse menos espessa do que a de chocolate negro, que se trata de um ganache mais sólido.
Entretanto, forre tigelas (taças de sobremesa que possam ir ao forno) com a massa kadaif de forma a fazer o formato de uma cesta ou pequeno ninho (ver foto). Levar a meio do forno a 180ºC até que a massa fique crocante e dourada.
Retirar, deixar arreefecer e encher os ninhos com as mousses de dois chocolates que repousaram no frio. Podem fazer conforme preferirem. Eu optei por moldar uns ovos maiores a partir do chocolate negro. Com a ajuda de duas colheres de sopa, como se estivesse a moldar pastéis de bacalhau, moldei ovos e coloquei-os nos cestos. Depois moldei bolas mais pequenas, do tamanho de trufas, e passei-as por cacau em pó. De seguida juntei colheradas da mousse de chocolate branco e coco. Por fim adicionei umas amêndoas torradas inteiras e polvilhei tudo com coco ralado e cacau em pó.
Sirva de imediato, enquanto as mousses estão frescas.
 

Bom apetite e votos de Páscoa feliz!






sexta-feira, 27 de março de 2015

Corvina com mexilhões em cebolada picante


O meu gosto por bacalhau, peixe fresco, e marisco nunca acaba... e as combinações de tudo o que vem do mar são sempre maravilhosas. Este é um exemplo de um prato tão simples e tão bom. Daqueles pratos que fazemos sem pensar muito. Simplesmente... fazemos! Não que isto revele desinteresse, mas sim descontração. Pelo menos para mim, que faço muitas refeições deste género, com o peixe que encontrei nesse dia (ou que tenho no congelador, nada contra). Se houver algum marisco que se possa juntar, tanto melhor, com tomate, cebola, bom azeite e temperos e está feito! Desta vez encontrei mexilhões frescos a pouco mais de um euro por quilo. Como podia não aproveitar? :)

Ingredientes para 4 pessoas:
8 lombos de corvina
1 kg de mexilhões frescos
600 gr de batata doce
2 cebolas 
5 tomates maduros
4 dentes de alho
1 pedaço de gengibre com 10 cm
1,5 dl de azeite
1 malagueta 
0,5 dl de vinho branco
Sal e pimenta qb
1 molho de coentros

Preparação:
Fiz este prato num tacho grande, mas pode ser feito na cataplana.
Na picadora ou processador de alimentos coloque os tomates maduros sem pele, os alhos, o gengibre descascado, alguns pés de coentros (os pés são muito aromáticos) e a malagueta. Triture tudo. Deite o azeite num tacho largo e a cebola em rodelas. Junte o preparado de tomate e tempere de sal. Comece a cozinhar com o lume médio.
De seguida, para que estas tenham tempo de ficar macias, junte as batatas doce em rodelas largas (com a casca). Tempere de sal. Deixe cozinhar até a tomatada ficar apurada e a batata quase cozida. Ao fim de 15 minutos junte os lombos da corvina arranjados e temperados de sal e pimenta no momento. Deixe cozinhar 6 minutos e junte os mexilhões, que foram previamente arranjados e lavados.
Dois minutos depois desligue o lume, polvilhe com coentros frescos picados e sirva de imediato.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!


quarta-feira, 25 de março de 2015

Workshop de entradas e petiscos

Depois do workshop de dezembro, que foi um sucesso, uma das participantes deu o tema para outro: entradas, tapas e petiscos, que é como quem diz, coisinhas boas para impressionar os convidados! Entradas diferentes, originais, outras mais tradicionais. Cozinhou-se de tudo por aqui. Foi muito divertido e o grupo de cozinheiras juntou três gerações de mulheres curiosas por aprender, gulosas por comer e muito simpáticas. Obrigada a todas por terem vindo :)

As receitas experimentadas, e que vão sendo publicadas aqui no blog, foram as seguintes:

- Trouxas de farinheira em massa brick
- Folhados com compota de cebola roxa e queijo de cabra
- Tártaro de salmão, tomate, pepino e pimento
- Espargos enrolados em presunto com shots de meloa
- Queijo da ilha panado
- Ovos cremosos com farinheira
- Sobremesa: Mousse branca e negra (ganache de chocolate negro com abacate e creme de queijo e iogurte com crocante de amêndoa)






















segunda-feira, 23 de março de 2015

Sushi de alheira com maçã verde e cenoura



Gosto do sushi tradicional, com peixe, com tudo aquilo que os japoneses resolveram pôr no sushi, transformando peixe cru num prato saboroso, pelo menos em minha opinião. Mas o meu forte são mesmo os ingredientes portugueses e os sabores mediterrânicos, que eu adoro acima de tudo. Com base em algumas inspirações, nomeadamente o bife tártaro do restaurante O Talho, que vem acompanhado de algas nori onde podemos enrolar a carne, conceito que adorei, tive a ideia de fazer este Sushi de Alheira. Juntei-lhe maçã Alcobaça, verde e ácida, com muita textura crocante, bem como cenouras. O equílibrio do sabor do enchido com o ácido da maçã, a doçura da cenoura e o intenso aroma a mar das algas, ficou diferente e muito agradável. Foi um dos pratos que ensinei a confecionar no workshop de "Entradas e Petiscos" que fiz este fim de semana e que juntou um grupo de cozinheiras super simpáticas :) Brevemente mostro-vos as outras delícias que andámos a preparar por aqui.

Ingredientes para cerca de 16 a 20 rolinhos de sushi:
1 alheira de caça
0,3 dl de azeite
1 cebola pequena
1 cenoura grande (120 a 140 gr)
2 maçãs verdes (variedade Granny Smith de Alcobaça)
4 folhas de algas nori cortadas em tiras
Sumo de limão qb
Molho de soja para acompanhar

Preparação:
Comece por tirar a pele da alheira e desfazê-la, retirando os pedaços de gordura ou courato mais rijo para ficar apenas com o recheio cremoso da alheira. Deite um fio de azeite numa frigideira anti aderente e adicione a alheira. Desfaça-a com um garfo. Junte a cenoura e uma maçã e meia, ambas raladas (Não retire a casca à maçã, pois tem vitaminas e vai oferecer uma textura crocante ao preparado. Reserve meia maçã para servir em fatias finas.). Deixe que os ingredientes se misturem, salteando-os um pouco na frigideira. Vá mexendo e faça isto em lume médio para não pegar. Ao fim de 4 a 5 minutos, retire do lume e deixe arrefecer um pouco.
Corte as folhas de alga nori em 4 tiras cada uma. Quando o preparado estiver morno, enrole um bocadinho em cada tira de alga (sensivelmente uma colher de chá bem cheia de preparado para cada rolinho). A humidade do preparado vai amolecer lgeiramente a alga e dar-lhe uma textura perfeita. Mas não devemos fazer isto com o preparado muito quente para que as algas não humedeçam demais e se desfaçam.
Sirva com molho de soja e fatias de maçã previamente borrifadas com sumo de limão para não oxidarem. Delicie-se com este prato que junta sabores tão diferentes, mas que casam na perfeição.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!




sexta-feira, 20 de março de 2015

Bolo Primavera de Ananás e Morangos



Este foi o bolo de aniversário da minha mãe, que fez anos no início do mês. É um bolo simples, do estilo pão de ló fofinho, como ela gosta. Há uns anos usava-se muito este tipo de bolo e chamavam-lhe "Delícia de Ananás". Eu nunca deixei de o fazer, pois acho que é um clássico que agrada sempre. Podemos substituir o ananás por morangos ou juntar ambos, que foi o que fiz neste caso.
Além do mais, acho que este é um bolo que chama a primavera, que hoje começa! O ananás e os morangos, tudo fresquinho no meio das natas batidas. Muito bom! Espero que a Primavera venha mesmo atrás do meu bolo, pode ser que queira uma fatia... E, se quiser, eu dou-lhe de boa vontade. Eu faço tudo para que o bom tempo chegue depressa e venha para ficar :)

Ingredientes
6 ovos inteiros
250 gr de açúcar branco
125 gr de farinha fina para bolos
1 colher de chá de fermento em pó
Raspa de 1 limão (ou laranja)
1 colher de café de extrato de baunilha
300 ml de natas ou natas de soja (foi o que utilizei)
2 colheres de sopa de açúcar
1 lata (pequena) de ananás em calda
Morangos frescos a gosto
Amêndoa palitada a gosto

Preparação:
Pré aqueça o forno a 190ºC.
Com a batedeira elétrica, bata os ovos inteiros com o açúcar, a raspa da casca de limão (só a parte amarela) e o extrato de baunilha durante 12 minutos ou até crescerem bastante de volume e conseguirmos um preparado tipo mousse, arejado e ligeiramente espumoso. Junte a farinha peneirada, envolvendo com uma colher de pau, mas sem bater muito.
Deite o preparado numa forma untada de margarina e polvilhada de farinha. Leve ao forno pré aquecido a 190ºC durante 25 minutos ou até o bolo estar cozido (faça o teste do palito).
Quando estiver cozido retire do forno, deixe arrefecer ligeiramente e desenforme. Enquanto o bolo arrefece, bata as natas. Quando começarem a ficar montadas, junte duas colheres de sopa de açúcar e continue a bater até estarem bem firmes.
Quando o bolo estiver completamente frio, abra-o ao meio. Regue a parte de baixo com a calda do ananás. Por cima deite um pouco de natas e o ananás em calda cortado em pedaços. Coloque a parte de cima do bolo. Barre todo o bolo com mais chantilly e decore com os morangos e a amêndoa palitada previamente torrada.
Sirva fresco, se gostar. Eu gosto de o levar um pouco ao frigorífico.

Bom apetite e seja bem vinda a primavera!







quinta-feira, 19 de março de 2015

Sugestões para o Dia do Pai

A todos os pais, aos filhos, aos avós e a todos os que têm um amor parental por alguém, desejo um feliz Dia do Pai. Façam uma refeição deliciosa para o vosso pai e sentem-se demoradamente à mesa, sem pressa, com tempo para conversar, apreciar a comida e a companhia. Talvez essa seja mesmo a melhor prenda que podem dar ao vosso pai.


Sugestões de entradas:

CANAPÉS DE ATUM E OVAS DE SALMÃO:
SALADA DE ESPARGOS E CAMARÃO:
TACINHAS DE ALHEIRA COM ESPINAFRES E OVINHO DE CODORNIZ:
CREPES DE ATUM E SULTANAS COM SEMENTES DE CHIA:


Sugestões de pratos principais:
BARRIGA DE PORCO COM CHUTNEY DE MAÇÃ REINETA E ESPECIARIAS: 
http://paparocadeliciosa.blogspot.pt/…/barriga-de-porco-ass…
BACALHAU COM PURÉ DE GRÃO E CROCANTE DE CHOURIÇO MOUCO COM MAÇÃ:  
http://paparocadeliciosa.blogspot.pt/…/bacalhau-com-pure-de…
TAGLIATELLE VERDE COM SALMÃO E CAMARÃO:   
 

Sugestões de sobremesas:

ZABAIONE DE ESPUMANTE COM PÊRAS CARAMELIZADAS:
http://paparocadeliciosa.blogspot.pt/…/zabaione-de-espumant…
BOLO DE CHOCOLATE CREMOSO:

http://paparocadeliciosa.blogspot.pt/…/bolo-de-chocolate-cr…
BOLO DE MEL E NOZES: http://paparocadeliciosa.blogspot.pt/…/bolo-de-mel-e-nozes.…
TORTAS DE AZEITÃO: http://paparocadeliciosa.blogspot.pt/…/tortas-de-azeitao-de…



terça-feira, 17 de março de 2015

Arroz de Choco



Gosto muito de todos os moluscos. Polvo, confecionado de todas as formas que me ocorram, é sempre uma maravilha! Lulas e choco, seja do grande, sejam choquinhos miúdos, também é muito bom. São alimentos práticos, que permitem várias preparações diferentes e são muito saudáveis.
Gosto de comprar estes ingredientes frescos, quando tenho oportunidade, mas também compro muitas vezes congelados. Tenho que reconhecer que não é fácil encontrar lulas e chocos congelados de boa qualidade. Quando vou a Peniche, na loja Profresco, consigo uns choquinhos pequenos (pequeno/médio, não minúsculos) que são de excelente qualidade. Não ficam rijos, não encolhem quase nada e tem excelente sabor. Vêm embalados nuns sacos com a marca "Baleal" escrita em letras azuis. Recomendo porque é realmente de muito maior qualidade (preço) do que o produto que se encontra normalmente nos supermercados.
Com estes chocos pequenos, desta vez, fiz um arroz de choco muito simples e delicioso.

Ingredientes para 4 pessoas:
1 kg de chocos pequenos limpos
2 chávenas de chá de arroz carolino
1 dl de azeite
1 cebola grande
4 tomates bem maduros
2 dentes de alho
1 folha de louro
Meio molhinho de coentros
Sal qb
1 malagueta (opcional) 

Preparação:
Deixe os chocos a descongelar de véspera no frigorífico. Quando descongelados, escorra a água.
Num tacho deite o azeite, a cebola picada, bem como os alhos e uma folha de louro. Deixe refogar ecrca de 3 minutos. Junte os tomates pelados e cortados em cubos, tempere de sal, mexa e deixe cozinhar mais um pouco. De seguida junte os chocos e a malagueta, se gostar. Deixe cozinhar em médio lume alto até  os chocos estarem tenros (depende muito da qualidade do produto). 
Quando os chocos estiverem tenros, retire-os do tacho com uma escumadeira e deixe lá dentro a tomatada e todos os sucos da cozedura do choco. Os chocos devem ser retirados para não ficarem demasiado cozinhados e secos. Junte água de forma a obter uma quantidade de líquido que seja 2 a 3 vezes a quantidade do arroz. Tempere de sal. Tape o tacho e deixe a água ferver. Quando isso acontecer junte o arroz. Mexa e deixe cozinhar cerca de 14 minutos. No fim junte os chocos e mexa novamente. Depois de pronto, polvilhe com coentros picados no momento e sirva.

Nota: para conseguir um arroz malandrinho, meça a água, mas não tenha problema em retificar a quantidade a meio da cozedura. Se a água for pouca, acrescente mais um pouco de água bem quente e retifique o sal. Se notar, quase no fim do cozinhado, que o arroz está a ficar demasiado caldoso, retire algum líquido com uma concha e deixe o arroz acabar de cozer de forma a obter a consistência desejada.

Bom apetite! Coma bem e de forma saudável!


domingo, 15 de março de 2015

Dobrada com feijão branco



Andava há tempos com saudades de comer dobrada e já tinha dito aqui em casa que não deixava acabar o inverno sem fazer uma almoçarada com este petisco. Foi hoje, num belo domingo de sol e o último do inverno, que juntei a família em casa dos meus pais e fiz a tal dobradinha. Faço-a à minha maneira, juntando couve e farinheira, ingredientes que talvez não entrem em todas as dobradas, mas eu gosto de adicionar à minha. Muita cenoura também é indispensável e o molho bem grosso, rico e apurado. Esta comida reconfortante foi uma bela maneira de acabar o inverno. Entretanto, no terreno dos meus pais, as ameixeiras já estão em flor, o aloé vera também tem uma flor lindíssima e aproveitei para apanhar grelos de couve muito tenros e limões super aromáticos.

Ingredientes para 6 pessoas:
1,5 kg de dobrada mista
1,5 kg de feijão branco
800 gr de cenouras
1 couve lombarda
1,5 dl de azeite
2 cebola
4 dentes de alho
2 folhas de louro
1 chouriço de carne
1 chouriço mouro 
1 farinheira 
1 colher de café de cominhos em grão
1 cravinho
Meio molho de salsa
4 cascas de limão
1 pezinho de tomilho
Sal e pimenta qb
Arroz branco para acompanhar

Preparação:
Lave muito bem a dobrada e comece por a cozer a dobrada em água com sal com as cascas de limão. Na última meia hora de cozedura adicione o pé de tomilho. O tomilho e, principalmente, o limão servem para absorver algum mau sabor e a gordura excessiva.
O tempo de cozedura da dobrada tem a ver com  muitos fatores, como a idade do animal, o tipo de alimentação, etc. Por isso o melhor é cozer até estar tenra. É como o polvo: espeta-se com um garfo para ver se está cozida. Eu não costumo usar panela de pressão, por isso cozo num tacho normal, neste caso a dobrada cozeu cerca de uma hora e 45 minutos. Depois de cozida, cortei-a em pedaços e reservei a água, não esquecendo de retirar a casca de limão e o tomilho. Coza também a farinheira durante uns 5 a 8 minutos. Reserve.
Se utilizar feijão seco, demolhe-o de véspera e coza-o também. Eu utilizei feijão de conserva de boa qualidade e sem conservantes. As conservas são uma excelente forma de conservar os nutrientes dos produtos e muito práticas para certos cozinhados que requerem muita preparação ou quando estamos com mais pressa (não era o caso, mas confesso que de entre as imensas tarefas que me dão prazer na cozinha, cozer feijão ou grão não é uma delas... tenho que aperfeiçoar isso ;)).
Num tacho coloque o azeite, a cebola picada, os alhos esmagados e picados e as folhas de louro. Deixe refogar lentamente. Entretanto junte o chouriço de carne e o chouriço mouro em rodelas. Vá mexendo com uma colher de pau e deixe refogar sem que se queime ou pegue ao tacho. Quando o chouriço começar a ficar cozinhado e ligeiramente tostado, junte a cenoura em rodelas e a couve lombarda cortada em juliana larga. Tempere de sal e misture tudo. Entretanto vá juntando aos poucos água da cozedura da dobrada. Adicione também meia farinheira cozida e desfeita. Mexa de vez em quando e vá adicionando mais água até que a cenoura e a couve estejam cozinhadas e o preparado tenha formado um molho grosso. Retifique de sal e junte os cominhos, o cravinho e pimenta qb moída na altura (pimenta preta ou mistura de pimentas).
Quando tudo estiver bem cozinhado, junte a dobrada e o feijão, tudo já cozido. Deixe apurar um pouco mais e retifique temperos. desligue o lume e deixe descansar 10 minutos antes de servir. No momento de levar à mesa junte as restantes rodelas de farinheira e salpique com salsa fresca picada. Sirva com arroz branco. Pelo menos para mim, que sou a maior "arrozeira" que conheço, é indispensável.

Bom apetite!







sábado, 14 de março de 2015

Esparguete com pesto de tomates secos e vieiras


Este prato pode ser degustado como uma entrada, se servido em pequenas porções, ou como prato principal no caso de servirmos mais massa e mais vieiras por pessoa. As quantidades que indico servem 4 entradas. O que gosto nesta receita é o contraste da doçura das vieiras, do sabor intenso dos tomates secos e do salgado das anchovas. No fim, a salsa refresca tudo e fica uma combinação espetacular. É rápido de fazer e  trata-se de um prato muito simples, mas delicioso.
Se quiserem preparar como entrada, até podem ter a massa e o molho feitos e misturar tudo no momento de servir, aquecendo numa frigideira ou tacho anti aderente ao mesmo tempo que confecionam as vieras, pois estas têm, obrigatoriamente, que ser preparadas na hora.

Ingredientes para 4 pessoas (entrada):
200 gr de esparguete
6 metades de tomates secos de boa qualidade (costumo usar os que vêm conservados em azeite e utilizo o próprio azeite do frasco para a confeção da receita)
Meio molho de salsa fresca
Azeite qb
2 filetes de anchovas
1 tomate fresco bem maduro
Sal e pimenta qb
8 vieiras (costumo usar miolo congelado de boa qualidade)
1 colher de sopa de manteiga

Preparação:
Comece por cozer o esparguete em água e sal durante 9 a 12 minutos, conforme o gosto. Escorra e reserve a massa.
Para o molho: na picadora ou processador de alimentos triture os tomates secos, os tomates frescos maduros, a maioria da salsa (reserve umas folhinhas para polvilhar o prato no fim), 2 filetes de anchovas e 0,5 dl de azeite. Triture tudo até obter uma pasta com consistência de molho pesto.
Deite este preparado num tacho e deixe ferver por 3 minutos. Retifique de sal. Envolva bem este molho na massa.
Seque as vieiras com papel absorvente e tempere-as com sal e pimenta. Numa frigideira anti aderente deite uma colher de sopa de manteiga e, quando estiver bem quente, cozinhe as vieiras 30 a 60 segundos de cada lado de forma a que fiquem caramelizadas e bem tostadas por fora e suculentas por dentro. Não cozinhe mais do que o tempo indicado porque as vieiras ficam "borracha" se forem demasiado passadas.
Empratamento: coloque uma porção de esparguete com molho e duas vieiras em cada prato. Polvilhe com salsa fresca e sirva.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!


quinta-feira, 12 de março de 2015

Pudim de abóbora e noz




Este pudim tem história... resultou de algo que parecia estar a correr mal e, no fim, transformou-se numa sobremesa maravilhosa! O pudim era para ser uma torta...Seria a minha participação no Projeto "Dia Um... Na Cozinha" mas, como a massa ficou demasiado líquida, resolvi levá-la ao forno em banho maria e fazer um pudim.
A participação no "dia Um... Na Cozinha" acabou por ser uma torta de amêndoa, coco e laranja, receita que já aqui partilhei. Este preparado de abóbora acabou por ser transformado num fantástico pudim. O que aconteceu foi que tentei seguir a maneira como faço torta de cenoura, mas a abóbora tem mais água do que a cenoura e o preparado ficou demasiado mole. A torta era impossível de enrolar mas, depois da mistura cozida em banho maria e em formato de pudim, ficou uma perfeita delícia!

Ingredientes:
600 gr de abóbora manteiga (pesada crua)
1 pau de canela
300 gr de açúcar
4 ovos inteiros
2 colheres de sopa de farinha
100 gr de miolo de noz
Raspa e sumo de uma laranja
Caramelo qb para untar a forma
Nozes e fatias de laranja para guarnecer

Preparação:
Cortar a abóbora em cubos e cozê-la em água com um pau de canela até estar tenra. Escorrer a abóbora e desfazê-la com um garfo. Juntar a raspa e casca de laranja, o açucar e os ovos inteiros ligeiramente batidos. Partir grosseiramente o miolo de noz de forma a obtermos uns pedaços maiores e outros mais pequenos. Peneirar a farinha e envolver nela os pedacinhos de noz. Juntar a farinha e nozes à massa, misturar tudo bem e deitar o preparado numa forma de pudim untada com caramelo. Levar ao forno a 180º C, em banho maria num tabuleiro com dois dedos de água, durante 50 minutos ou até verificarem que o pudim está com consisitência sólida.
Utilizei uma forma de buraco de 20 cm (tamanho pequeno).
Este pudim fica bastante denso depois de cozido. É muito rico e saboroso.

Bom apetite!