domingo, 25 de maio de 2014

Meloa com espargos verdes enrolados em presunto


Já tinha visto a ideia dos espargos embrulhados em presunto em vários programas ou blogs de culinária e andava com vontade de experimentar, pois são dois alimentos que adoro. Quando pensei em fazer o prato como entrada resolvi juntar algo mais e combinar salgado e doce. Inspirada no já tradicional melão com presunto, optei pela meloa e consegui conjugar os diferentes sabores e também texturas: a suavidade sumarenta da meloa com o crocante dos espargos e do presunto, que fica tostadinho do forno e oferece uma quantidade ótima de sabor salgado a este prato. Uma verdadeira delícia!

Entrada para 4 pessoas
8 espargos verdes
8 fatias finas de presunto serrano 9 meses de cura
8 fatias de meloa ou 4 de melão
8 folhas de hortelã

Preparação:
Arranje os espargos e escalde-os por 2 minutos em água a ferver temperada com muito pouco sal. Retire e escorra. Envolva cada espargo numa fatia de presunto bastante fina. Não é necessário mais nenhum tempero, pois o presunto é salgado e vai dar sabor suficiente ao prato. Disponha os espargos já enrolados num tabuleiro de forno forrado com papel vegetal. Leve a assar em forno pré aquecido a 220ºC. Deixe cozinhar por 10 minutos ou até ver que o presunto está crocante. Retire, disponha dois espargos em cada prato com duas fatias de meloa. Termine com umas folhas de hortelã para refrescar.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!


quarta-feira, 21 de maio de 2014

Codornizes com puré de favas e crocante de chouriço



Nesta altura do ano, comer favas frescas é um prazer. E para prolongar esse prazer por mais uns tempinhos, até podemos comprar estas leguminosas frescas, descascá-las e congelar em saquinhos para confecionar mais tarde quando as saudades de favas apertam... 
Na minha família gostamos todos muito de favas. A minha avó paterna fazia muitas vezes favas guisadas com entrecosto por ocasião do seu aniversário, no início de maio. A mãe do meu marido também fazia um arroz de favas com entrecosto, ideia que eu "adoptei" a pedido do Rui e à qual me rendi. Em vez de fazermos as favas com entrecosto e servirmos o arroz à parte, cozinhamos o arroz no molho das favas e fica um arroz malandrinho com favas, entrecosto e enchidos. Muito bom! Mas essas receitas ficam para outra ocasião. São as sugestões mais tradicionais (que adoro!), mas hoje proponho usar as favas de forma diferente. Trata-se de um puré de favas, que foi feito a pedido do meu pai. Uma forma diferente e muito saborosa de comer este alimento. Uma receita para quem gota mesmo muiiiito de favas! Por aqui, todos gostaram ;)

Para o puré de favas para duas pessoas:
600 gr de favas
1 raminho de coentros (4 a 5 pés com folhas e caules)
1 cebola pequena (usei cebola roxa)
1 dente de alho
3 colheres de sopa de azeite
Sal e pimenta qb
Paprika qb

Para o crocante de chouriço: 6 rodelas de chouriço de carne de boa qualidade cortadas em cubinhos muito pequenos

Comece por cozer as favas em água e sal. Ainda quentes, retire-lhes a pele e deixe escorrer bem toda a água da cozedura. Numa frigideira ou tacho anti aderente deite os cubinhos de chouriço e deixe fritar na própria gordura até estarem crocantes e esturricados sem deixar queimar. Retire e reserve.
No mesmo tacho deite o azeite, a cebola e alho picados e deixar refogar até a cebola estar transparente. Neste momento, junte as favas e deixar saltear um pouco. Acrescente o ramo de coentros. Deixe cozinhar por 3 minutos. Retire e coloque tudo (incluindo os coentros) num robot de cozinha para triturar ou então faça-o com a varinha mágica, foi como fiz e ficou cremoso rapidamente. Depois de ter as favas transformadas numa pasta e ter obtido um puré, coloque novamente no tacho e leve ao lume mais um pouco. Junte um fio de azeite e tempere com paprika. Mexa e deixe cozinhar por 2 minutos apenas para obter uma consistência sedosa e homogénea.
As codornizes (uma ou duas por pessoa) foram simplesmente temperadas com uma pasta de azeite, sal e alho fresco ralado. Depois de as untar com esta mistura, deixei marinar por uma hora. Depois fritei-as com um pouco de azeite. Fui virando até estarem tostadas de todos os lados e a pele ter empolado com o calor da fritura. Servi-as em cima do puré de favas e com o crocante de chouriço.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável! 



quarta-feira, 14 de maio de 2014

Pescada Primavera


A primavera é tempo de cor, frescura e refeições leves e saborosas. A pescada é um daqueles peixes que pode ser preparado de várias formas. E o tomate fica bem com quase tudo e é um alimento muito fresco para as ementas de primavera e verão. Desta vez fiz uma tomatada diferente, pouco cozinhada e muito fresca. A pescada assou à parte, no forno e, como havia uma batata doce esquecida, ela também foi fazer companhia à pescada na viagem até ao forno...

Ingredientes (para duas pessoas)
2 postas grandes de pescada
Meio alho francês (parte branca)
4 tomates frescos maduros de cacho
1 dl de azeite
Tomilho, flor de sal e pimenta qb
3 pés de salsa (inteiros)
3 pés de coentros (picados)
Batata doce e salada para acompanhar

Preparação:
Lave e corte a batata doce em rodelas grossas e tempere com tomilho e flor de sal. Coloque em cima de folha de alumínio num tabuleiro de forno e regue com um fio de azeite (não feche a folha de alumínio).
No mesmo tabuleiro, ou noutro, coloque folha de alumínio onde vai colocar o alho francês cortado em rodelas. Por cima do alho francês, disponha as postas de pescada temperadas com flor de sal, pimenta e tomilho. Junte uns pés de salsa inteiros para aromatizar, regue com um fio de azeite e tape o alumínio para o peixe manter os sucos enquanto cozinha.
Leve ao forno por 30 minutos a 220ºC ou até o peixe estar cozinhado e as batatas macias e tostadas.
Numa frigideira coloque o resto do azeite, junte as rodelas de alho francês, entretanto retiradas do peixe, e deixe refogar por 1 minuto apenas. Corte todos os tomates em cubinhos pequenos e junte ao refogado. Tempere de flor de sal e pimenta. Isto vai cozinhar apenas por 2 a 3 minutos, de forma a que o tomate ganhe gosto, mas fique com os cubos inteiros e mantenha a frescura. Desligue o lume e junte os coentros picados. Misture bem, retifique de sal e deite este molho por cima do peixe. Sirva com as rodelas de batata e salada verde variada.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!





sábado, 10 de maio de 2014

Cannellonis de atum e espinafres com queijo da ilha



Ontem acordei com vontade de comer cannellonis. Tinha mesmo que ser, pronto! Acordei a pensar naquilo e assim fiquei todo o dia. Fui à loja dos frescos, uma frutaria fantástica que tenho quase à porta de casa com todos os vegetais, legumes e frutas vindos diretamente do MARL, trouxe um enorme molho de espinafres (trago sempre!!) e a simpática senhora que me atendeu até comentou que costumava fazer empadão de atum e espinafres, ao que eu respondi logo: "E eu vou fazer cannellonis!". E fiz mesmo! Já tinha pensado que queria cannellonis, mas não me apetecia carne, por isso fiz cannellonis de atum e espinafres e ficaram tão, mas tão bons... Estavam mesmo gulosos e mais quantidade tivesse feito, mais tinha comido ;) E foi assim o jantar de sexta-feira cá em casa. Bom fim de semana para todos!

Ingredientes (para duas pessoas):
10 cannellonis
3 latas de atum de conserva
1 cebola roxa
Meio molho de espinafres (ou uma embalagem, se for de supermercado, ponham a quantidade a gosto)
3 colheres de sopa de azeite
3 alhos
1 pacote de 200 ml de natas (usei de soja)
100 gr de queijo da ilha ralado
80 gr de mozarella ralada (usei da light)
Sal, pimenta, noz moscada e oregãos qb

Preparação:
Deite o azeite num tacho juntamente com a cebola e os alhos, tudo picado. Deixe refogar e, quando a cebola estiver macia, junte o atum desfeito com um garfo. Vá mexendo. Dos 200 ml de natas, retire umas 2 a 3 colheres de sopa, junte a este preparado para dar cremosidade e continue a cozinhar por alguns minutos. Lave bem os espinafres (folhas e caules) e pique-os em juliana. Junte ao preparado. Tempere de sal e pimenta e deixe os espinafres cozinharem por 3 minutos.  No fim, adicione 30 gr de queijo da ilha ralado e mexa (o queijo vai derreter com o calor do forno e encorporar nos restantes alimentos).
Coza os cannellonis em água e sal até ficarem ligeiramente cozidos, mas rijinhos (3 minutos de fervura). Recheie cada cannelonni com a mistura de atum e espinafres. Coloque todos os cannellonis num pirex de forma a que fiquem bem juntos.
Numa taça, misture os dois tipos de queijo ralado e as natas. Deite tudo por cima  dos cannellonis. Termine com um pouco de noz moscada ralada no momento. Leve ao forno a 220º até estar gratinado. Quando estiver pronto, retire do forno e polvilhe com oregãos secos.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!







quinta-feira, 8 de maio de 2014

Carne de Porco à Alentejana


Este é um dos pratos preferidos do meu marido. Quando estamos de férias em zona de praia e pescadores, eu costumo comer, quase sempre, peixe grelhado (sardinhas numa grande percentagem das vezes: ADORO).
Mas o barco de pesca que fornece o prato dele traz sempre... carne! O rapaz lá vai dizendo que a Carne de Porco à Alentejana tem as ameijoas, que vêm do mar e tal... Mas a verdade é que ele é mesmo muito guloso! Esta receita tradicional da gastronomia portuguesa conjuga alguns dos ingredientes que o meu marido mais aprecia: carne, ameijoas e batatas fritas! Eu também gosto do prato, até porque sou mocinha de gostar de tudo, por isso não me faço rogada para comer este petisco.
A carne que deu corpo a esta receita era tenríssima. As ameijoas não eram muito grandes, mas eram de boa qualidade e saborosas, pelo que a receita saiu muito bem. Trata-se da minha versão da Carne de Porco à Alentejana.

Ingredientes (para 4 pessoas)
1 kg de rojões de porco bastante tenros (lombo cortado em cubos)
1 kg de ameijoas de boa qualidade
5 dentes de alho
5 folhas de louro
2 colheres de sopa de massa de pimentão
Sal e pimenta qb
1 raminho de salsa e coentros
Azeite e banha
1 dl de vinho branco
Rodelas de limão, coentros, pickles e azeitonas para guarnecer
Batatas fritas para acompanhar

Preparação:
Esta carne foi arranjada, limpa das gorduras excessivas e deixada a marinar de um dia para o outro. Temperei com a massa de pimentão, os alhos esmagados, as folhas de louro, pimenta, muito pouco sal (coloquei mais no momento de confeção da carne) e alguma salsa picada. Envolvi a carne nisto tudo, coloquei num pirex e tapei com película aderente. Ficou assim, no frigorífico, durante uma noite.
No momento de confecionar a carne temperei-a com sal. Deitei 2 colheres de sopa de banha e 3 de azeite numa frigideira funda, tipo sertã, e deixei aquecer bem. Fritei a carne nas gorduras até estar ligeiramente tostada por fora. Quando todos os pedaços estavam alourados, juntei o vinho branco e deixei acabar de cozinhar. Convém confirmarmos que a carne está cozinhada, cortando um cubo de carne ao meio. Nos últimos 5 minutos juntei as ameijoas e misturei tudo. Quando estas abrirem, o prato está concluído.
Coloquei numa travessa e guarneci com gomos de limão, coentros grosseiramente picados, azeitonas pretas e pickles cortados em pedacinhos. Servi com a batata frita à parte, pois é como o maridão mais gosta, apesar da receita tradicional indicar que se misture tudo.

Bom apetite!

terça-feira, 6 de maio de 2014

Bolo de chocolate com natas sólidas e morangos



Fiz este bolo para o Dia da Mãe. A minha mãe gostou muito e eu gostei que ela tivesse gostado. Podia dizer tanta coisa sobre o bolo, mas hoje só me apetece dizer isto. Fiquem com a receita e com muito amor...

Para o bolo:

6 ovos
250 gr açúcar
140 gr chocolate derretido (70% de cacau)
2 dl de leite e 2 colheres de sopa de margarina líquida
150 gr de farinha + 1 colher de sobremesa de fermento

Bata os ovos inteiros na batedeira com o açúcar até obter um creme esbranquiçado e com o dobro do volume. Entretanto o chocolate está a derreter em banho maria com 2 dl de leite e 2 colheres de sopa de margarina líquida. Vá mexendo o chocolate até obter um creme muito fluído e uniforme. Junte este preparado aos ovos depois de os bater por 10 minutos (até ter o tal preparado esbranquiçado tipo mousse). Vá juntando o chocolate derretido lentamente e envolvendo com uma colher de pau até misturar bem todo o chocolate na massa. Depois junte a farinha peneirada com o fermento. Deve ser adicionada lentamente e sempre com a colher a envolver de baixo para cima. A massa do bolo vai ficar uma espécie de mousse muito leve e fofa.
Coloque o preparado numa forma redonda com aro removível untada de margarina e polvilhada de farinha. Coloque no forno pré aquecido a 200º e deixe ficar por 30m. O objetivo é que o bolo fique muito fofo. Para quem gosta, até pode ficar um pouco mal cozido no centro, pois assim ficará ligeiramente cremoso e "molhadinho".

Para o creme de natas e morangos:


2 pacotes de natas (4 dl)
2,5 dl de leite
Açúcar a gosto (usei 3 colheres de sopa)
Morangos a gosto (usei 300 gr, sendo que utilizei 200 gr no creme e guardei os restantes morangos para decorar o bolo)
5 folhas de gelatina incolor

Deixe as folhas de gelatinas de molho em metade do leite para hidratarem e amolecerem. Bata as natas levemente, de forma a fazerem alguma espuma, mas sem que fiquem totalmente sólidas. Junte o açúcar e bata mais um pouco. Depois derreta as folhas de gelatina no restante leite a ferver e junte às natas. Mexa bem. Este preparado vai ficar líquido, pois as natas são apenas ligeiramente batidas. Vai ficar uma espécie de panacotta, mas com um sabor de natas mais cruas, dado que não vão ao lume a cozer. Junte 200 gr de morangos partidos em pedaços às natas. Disponha este preparado numa forma exatamente com o mesmo diâmetro da forma do bolo e leve ao frigorífico até solidificar.

Montagem do bolo:

Vai necessitar dos restantes morangos (100 gr) e de 60 gr de chocolate derretido em banho maria.
Ainda com o bolo dentro da forma, deite o creme de natas e morangos já solidificado por cima do bolo. Depois retire o aro lateral da forma. Vai ficar com a camada de chocolate em baixo e o creme de natas com morangos em cima, pois ambas as partes são redondas e do mesmo tamanho.
Derreta o chocolate em banho maria e, com a ajuda de um garfo, vá desenhando fios de chocolate por cima do bolo para formar uma espécie de "rede" com um garfo (basta deixar cair fios de chocolate derretido em cima do bolo, o chocolate vai solidificar rapidamente e ficará um "desenho abstrato" por cima do creme de natas). Termine a decoração com os morangos (reserve os mais bonitos, todos do mesmo tamanho para este efeito). Dê largas à imaginação: pode manter os pezinhos verdes da fruta e molhar ligeiramente os morangos num pouco de chocolate derretido. Pode polvilhar com açúcar em pó ou não. Faça como o instinto do momento mandar. O que interessa é que a mãe goste :) A mãe ou quem quer que prove este bolo feito com tanto carinho e dedicação.

Deve ser servido frio. Bom apetite!