terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Arroz de polvo do mais simples que há!


Cá em casa adoramos polvo, por isso confeciono-o de várias  maneiras e é uma refeição sempre muito apreciada. Às vezes compro o polvo congelado, mas normalmente compro-o fresco e congelo para ficar tenro, descongelando apenas no dia em que o quero cozinhar. Cozo o polvo numa panela comum (não uso panela de pressão) em água sem sal e o único truque que uso é retirar o "olhinho" na zona abaixo da cabeça para que a água circule melhor pelo polvo. Fica sempre tenro e sempre bom. O tempo de cozedura depende do tamanho do animal.
Para fazer este prato cozi o polvo com antecedência e reservei. Quando chegou a hora do jantar acabou por ser muito rápido. É um prato delicioso, que se faz bem mesmo durante a semana. Esta forma de fazer que apresento hoje é a mais prática e rápida de todas, não leva tomate, a cor é dada apenas pela água do polvo. Trata-se de um arroz malandrinho caldoso, fiz com arroz agulha para ficar solto, com molho e não "empapar". Assim, mesmo que sobre um bocadinho, fica bom no dia seguinte. Mas há que dizer que não sobrou nada...
Este prato feito com arroz carolino também fica delicioso (melhor ainda em minha opinião), mas tem que ser obrigatoriamente todo comido no momento. O arroz carolino é mesmo assim: saboroso, mas caprichoso, não admite "sobras" e temos que ter máxima atenção ao tempo de cozedura. Desta vez fiz com o agulha e com uma receita do mais simples que há!

Ingredientes para 4 pessoas:
1 polvo com cerca de 1 kg
2 chávenas de chá de arroz
1 cebola grande
3 dentes de alho
2 folhas de louro
1 dl de azeite
1 ramo de coentros
1 malagueta ou 1 pitada de picante moído (opcional)

Preparação:
Depois de cozido o polvo, reservei-o, bem como a água da cozedura. Num tacho refoguei a cebola e os alhos picados com o azeite e as folhas de louro. Assim que a cebola ficou transparente adicionei a água de cozer o polvo (6 chávenas de chá). Quando a água atingiu o ponto de fervura, juntei o arroz, mexi e retifiquei de sal. Adicionei o picante e deixei cozer até o arroz estar no ponto. Nos últimos minutos adicionei o polvo cortado em pedaços. No fim juntei os coentros frescos picados e servi de imediato.
Para quem tenha placa vitrocerâmica ou de indução: basta cozer o arroz por 5 minutos, desligar a placa e deixar a cozinhar no calor restante por mais 10 a 15 minutos com o tacho fechado. Garanto-vos que o arroz fica cozinhado no ponto! O arroz de polvo ou outro qualquer, pois as placas elétricas de indução ou vitrocerâmica mantêm todo o calor por muito tempo e o arroz dentro do líquido da cozedura continua a cozinhar. Se nos descuidamos até fica cozido demais... Fica a dica de poupança, importante na redução dos consumos energéticos.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!


Um comentário: