quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Os descendentes da Tarte de Pera

Tenho feito tantas tartes como forma de treinar para a apresentação do prato no concurso, que me sinto uma autêntica Vóvó Donalda ;)
No meio de inúmeras tartes, tamanha quantidade de massa e quilos de peras, às vezes há sobras e estes "desperdícios de luxo" acabam por também dar origem a suculentas invenções. Ou seja, a Tarte de Pera Rocha do Avenal já tem descendentes!
Dos restos da massa da tarte fiz umas bolachinhas em forma de coração (com um cortador próprio, mas podem fazê-las redondas ou da forma que preferirem). Como a massa não é muito doce, polvilhei com canela e açúcar em pó antes de assar no forno a 190º por 10 a 12 minutos, conforme a espessura das bolachas.
As cascas e os caroços das peras também não foram para o lixo e deram origem a uma geleia de pera e vinho do Porto. Foi a primeira vez que fiz geleia e ficou uma maravilha, melada, no ponto, com uma cor âmbar lindíssima.
Coloquei as cascas e caroços numa panela cobertos de água e com uma casca e algumas gotas de limão. Cozeu por uma hora. Depois escorri tudo com um pano, apertando muito bem até que toda a água da cozedura e suco das peras fossem aproveitados. Espremi até que no pano ficassem apenas os desperdicios sólidos. Toda a água foi aproveitada. Depois pesei a água e adicionei 600 gr de açúcar para cada quilo de líquido (fazemos nesta proporção conforme a quantidade que tivermos). Juntei um pouco de vinho do Porto a olho (cerca de um cálice por quilo de líquido) e levei ao lume a ferver até ficar com a consistência pretendida.
A geleia deve ser guardada em fracos esterilizados, tal como fazemos com as compotas e doces.
Agora juntem um pedacinho de geleia às bolachas e digam-me se não é delicioso?...

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Bacalhau corado com puré de batata e espinafres


 Este bacalhau quentinho, feito no forno, é reconfortante e muito simples de fazer. Aprecio muito comidas de forno, principalmente agora que começa a chegar o frio e que sabe bem algo mesmo aconchegante. Além disso, estas são receitas muito práticas, pois o forno fica a cozinhar por nós, o que nos faz poupar imenso tempo. Neste caso temos que fazer o puré de batata antes de o levar a tostar, mas o prato também fica bom com batatas assadas com pele "a murro".
Voltando ao bacalhau, cozi-o ao vapor apenas por 10m, conforme post anterior que publiquei sobre bacalhau cozido ao vapor (http://paparocadeliciosa.blogspot.pt/2013/10/bacalhau-cozido-ao-vapor.html), mas as postas também podem ser colocadas diretamente no forno com bastante azeite e alho (se preferirem fazer assim, devem deixar no forno até que o bacalhau esteja cozinhado, mas não demais para não secar). Fazemos o puré de batata, cozendo as batatas em água e sal com um alho (o alho dá cremosidade às batatas quando vão a cozer e depois também deve ser passado pelo pass vite juntamente com estas, pois oferece um excelente sabor ao puré). Além de um pouco de leite e manteiga, tempero sempre o puré de batata com uma pitada de noz moscada ralada na altura ou em pó. Fica delicioso!
Depois de cozido o bacalhau e feito o puré, coloquei tudo num recipiente de forno e levei a tostar a 200º. Ao mesmo tempo salteei os espinafres em alho e azeite e juntei-os depois ao bacalhau. E agora, resta servir e comer :)

E reparei agora que, em tão pouco tempo, é a terceira receita em que incluo espinafres, mas realmente é dos meus alimentos preferidos. Os espinafres são muito ricos em vitaminas e minerais essenciais para uma boa saúde. Saibam mais sobre este vegetal: http://www.alimentacao-saudavel.com/as-propriedades-nutritivas-do-espinafre/.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

domingo, 27 de outubro de 2013

Lombinho de porco com peras caramelizadas e canudos de espinafres

Alguns seguidores do blog andavam a desesperar por pratos de carne ;) Pois cá vai!
Este lombinho de porco ficou uma maravilha. E os acompanhamentos escolhidos garantem um prato delicioso e onde não falta a verdura e até um pouco de fruta. Mas, se preferirem, escolham outras guarnições e deem largas à imaginação. Depois partilhem as vossas experiências :)
A mim pareceu-me bem esta combinação. São vários elementos no prato, mas não dá assim tanto trabalho como possa parecer. Passo a explicar tudo ao detalhe...

(Receita para 2 pessoas, se pretenderem multipliquem as quantidades)

1 lombinho de porco
2 fatias de bacon tostado no forno (para empratar)
1 embalagem ou molho de espinafres
2 folhas de massa brick para os canudos
2 peras rocha + 1 colher de sopa de manteiga, 1 clh de açúcar amarelo, 1 clh de mel e 2 clh de vinho do Porto, tudo para caramelizar as peras
2 folhas de massa brick
3 dentes de alho, 1 cebola, 1 dl de azeite, sal qb
pimenta rosa, sementes de mostarda
2 folhas de louro, 1 ramo de alecrim
1 dl vinho branco

Temperar o lombinho com sal, alecrim, alho, louro, sementes de mostarda e pimenta rosa. Escolhi a pimenta rosa por ser mais suave, dado que já temos o sabor intenso das sementes de mostarda. Estas pequenas bolinhas amarelas são uma especiaria maravilhosa e muito aromática para pratos de carne. Em relação ao alho, costumo dar pequenos golpes no lombinho e colocar os pedaços de alho lá dentro. Desta forma o sabor passa mais intensamente para a carne e o alho não fica à superfície e não se queima. Depois de temperada, "selamos" a carne na frigideira com azeite de forma a que todo o lombinho fique tostado por igual. De seguida, levamos ao forno por 40 m a 200º com as cebolas azeite e vinho branco. A carne vai ao forno para cozinhar no centro (não muito para não ficar seca), dado que por fora já está tostadinha. No fim, passar o molho resultante da cebola e vinho branco com a varinha mágica e servir este molho a acompanhar o prato.
Caramelizar as peras com manteiga, açúcar, mel e vinho do Porto. O segredo é fazer isto em lume brando (com paciência e muito carinho!) para que as peras caramelizem sem queimar, largando os seus açúcares e formando um molho grosso e delicioso. 

Saltear os espinafres em azeite e alho. Tostar os canudos de massa brick no forno 5 m a 180º e recheá-los com os espinafres. Eu faço os canudos com uma destas formas cónicas que se podem encontrar nas lojas de utensílios de cozinha, mas podem fazer com outros formatos. Ao mesmo tempo que tosto os canudos, tosto também o bacon no forno. Atenção à massa brick, que é muito fina e sensível, deve estar apenas poucos minutos no forno a 180º no máximo para não queimar.
Por fim empratamos todos os componentes, colocando o molho da carne à parte. Acrescentei uns palitos de batata frita por causa do guloso cá de casa... Escolhi empratar numa ardózia, mas todas as soluções que valorizem o prato são válidas. É só deixar a criatividade trabalhar!

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!



sábado, 26 de outubro de 2013

Cupcakes de Halloween


Está quase aí o Dia das Bruxas ou Halloween, usando o termo mais anglo-saxónico desta comemoração. Com grande tradição nos Estados Unidos e Reino Unido, este evento tem ganho adeptos em Portugal. "Doçura ou travessura", como dizem as crianças quando batem às portas dos vizinhos... ou a expressão mais portuguesa do "Pão por Deus", que os mais pequenos pedem porta a porta no 1º de novembro, Dia de Todos os Santos. Tudo se ouve nessa data, esse dia que era feriado, já não é e talvez um dia volte a ser...
Mas voltemos à "Doçura ou travessura" para dizer que este é apenas mais um pretexto para fazer umas doçuras deliciosas que agradem a miúdos e graúdos e que nos reúnam à volta da mesa com os amigos! Espero que gostem da sugestão.

 

Cupcakes de chocolate (receita para 18 cupcakes)


100 gr farinha
100 gr cacau em pó (ou chocolate em pó)
100 gr açúcar
4 ovos
80 gr chocolate para culinária derretido com uma colher sobremesa de manteiga e 1 dl de leite

Derreter o chocolate em banho maria com a manteiga e leite. Bater as gemas com o açúcar e misturar ao chocolate. Misturar a isto os ingredientes secos (cacau e farinha). Bater muito bem. Vamos obter uma massa grossa e pegajosa. De seguirda encorpamos com as claras batidas em castelo (onde juntámos uma colher de sobremesa de fermento em pó). Se a massa estiver muito grossa, juntamos primeiro metade das claras para amolecer e batemos bem. Depois juntamos as restantes claras de forma suave para tornar a massa fofa.
Colocar em formas de cupcake, não enchendo em demasia porque vai crescer um pouco. Na verdade estes cupcakes não crescem muito, ficam mais do género de bolo macio e ligeiramente húmido por dentro. Mas crescem sempre um pouco. Pré aquecemos o forno por uns minutos e cozemos os cupcakes durante 15 m a 170º.
Depois de prontos e frios, podemos decorar como quisermos. Deixo uma sugestão muito simples, proposta da Paula Cirilo: bater uma embalagem de queijo creme com açúcar em pó (açúcar inglês). Ponham o açúcar a gosto, mas não mais do que 3 colheres de sopa para 200 gr de queijo (o açúcar inglês é muito doce). Eu uso queijo creme magro. 


A este creme podemos juntar corante alimentar e fazer as cores que quisermos, por exemplo, laranja para combinar com as cores do Halloween (temos que pôr muito mais amarelo do que vermelho para conseguir o laranja). Este corante alimentar vende-se em qualquer supermercado numas embalagens que trazem um frasco vermelho, um amarelo e um azul, com estas 3 cores fazemos todas as outras).
Outra sugestão é fazer uns chapéus de bruxa com pasta de açúcar cor de laranja que se vende nas lojas próprias de enfeites para bolos. Eu faço com a ajuda destas formas cónicas.


Os cabelos louros das bruxinhas são fios de ovos de compra. Também podemos encher os chapéus das bruxas com os fios de ovos e o recheio de queijo creme ajuda a “colar tudo”. Fica saboroso e bonito na mesa do Dia das Bruxas!
Desejo-vos bruxarias deliciosas a todos!! Espero que as vossas crianças gostem da sugestão e que vocês partilhem as vossas experiências com a Deliciosa Paparoca  ;)

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Raviolis redondos de camarão



Parece que hoje é o Dia Mundial da Massa. Há dias de tudo e para tudo... ora, se também há um "Dia da Massa", vamos comemorá-lo convenientemente! Adoro massas, sejam de compra, de todas as cores e feitios, seja a pasta fresca feita por mim. Tenho este utensílio maravilhoso, oferecido pelo Rui no último Natal e de onde têm saído criações que o fazem ficar feliz por me ter dado esta prenda. Eu também fico muito contente porque pôr as mãos na massa, literalmente!, é sempre um enorme prazer :)


A pasta fresca feita à mão é simples: 100 gr de farinha sem fermento e 1 ovo inteiro ou duas gemas. A partir daqui basta multiplicar as quantidades, tendo sempre em atenção esta proporção: 1 ovo ou 2 gemas por cada 100 gr de farinha. Umas pitadas de sal diluído num pouquinho de água e mais uns borrifos de água se necessário e toca a trabalhar com as mãos até a massa ficar elástica. Não deve ficar demasiado mole, pegajosa, para não colar à máquina de esticar. Também não deve ficar demasiado seca para não quebrar. Deve estar macia e despegar-se das mãos. Enquanto a formos esticando e cortando na máquina, deixamos o resto embrulhado em película plástica para que não seque. Mas voltarei a este assunto noutro post com todos os detalhes e dicas para fazer uma excelente pasta.

Em relação às quantidades, costumo fazer o seguinte: se for uma entrada, como era o caso desta receita, 50 gr de massa por pessoa é suficiente. Se a pasta for o prato principal, sirvo entre 75 a 100 gr de massa por cabeça, conforme o apetite dos comensais.
Esta receita que apresento é uma entrada para quatro. Serve 2 raviolis grandes por pessoa e um camarão tigre, mas podem substituir o "bicho" por dois ou três camarões tipo "gamba", de tamanho mais moderado.


Raviolis redondos de camarão

4 camarões tigre (sal, malagueta picada qb, sumo de limão e azeite para temperar)
200 gr de camarão 60/80
200 gr de miolo de camarão
200 gr de farinha sem fermento
2 gemas de ovo + 1 inteiro
2 dl de vinho espumante
1 dl de nata de soja
2 colheres de sopa de manteiga
1 cebola média
salsa fresca picada para polvilhar


Cozer 100 gr de camarão e todo o miolo em água, sal e malagueta. Reservar o caldo.
Numa frigideira, refogar a cebola picada em manteiga até ficar transparente. Juntar os camarões inteiros que não foram cozidos. Temperar com sal e pimenta e deixar que os camarões libertem o seu sabor. Refrescar com espumante e um pouco de caldo de cozer os camarões. Retirar os camarões e a cebola, coando o molho com um passador. Depois de tirarmos os ingredientes sólidos, deixamos o molho engrossar com um pouco de nata de soja.
Com todos os camarões (os cozidos e os que foram cozinhados na frigideira) e a cebola que retirámos do molho, fazemos uma pasta (picar tudo na picadora ou processador de alimentos). Esta pasta vai ser o recheio dos raviolis.
Entretanto, já temos a massa pronta, depois de esticada na máquina (estico até ficar fina, no nível 6 da máquina). Cortamos rodelas de massa com um cortador redondo, recheamos com a pasta de camarão e fechamos os raviolis, passando com o dedo molhado com um bocadinho de água ou clara de ovo nos rebordos da massa. Assim os raviolis ficam fechados e não desmancham quando forem a cozer. A cozedura em água e sal faz-se por cerca de 5 a 6 minutos, pois a pasta fresca coze rapidamente. 

Enquanto fazemos isto, os camarões tigre assam no forno cerca de 10m (conforme o tamanho) depois de abertos e temperados. Devem ficar suculentos, não devem assar demais. Se optarmos por camarões mais pequenos, devemos fazê-los na frigideira, fritos com alho e azeite.
Por fim, empratamos os raviolis com o camarão e o molho, tudo salpicado com salsa picada.

Este prato é delicioso e requintado. Não prima por ser muito económico, mas também não se faz todos os dias... E nem todos os dias são Dia Mundial da Massa ;)

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!