domingo, 30 de abril de 2017

Aletria cremosa




Cá por casa, e na família em geral, nunca ninguém ligou muito a aletria porque o arroz doce é que sempre foi rei em todas as festas. Até ao momento em que, não há muitos anos, eu comecei a fazer a aletria com uma receita muito semelhante à do arroz doce. Fica cremosa e suculenta e todos passaram a gostar de aletria! Até eu, que também não lhe ligava nenhuma. A minha avó esta Páscoa disse mesmo: "Susaninha, deixa lá o arroz que dá muito trabalho e passa a fazer isto." Eu achei-lhe graça e prometo continuar a fazer aletri, mas não vou deixar d efazer o arroz, qua ainda gosto mais e que ela me ensinou com tanto carinho. Em relação a esta receita, espero que vocês também experimentem e apreciem.

Ingredientes:
300 gr de aletria
Água qb (cerca de um litro)
1 litro de leite gordo
300 gr de açúcar
4 gemas
100 gr manteiga
Cascas de limão e laranja
Canela para polvilhar

Preparação:
Coloque a água num tacho com uma pitada de sal e 4 cascas de laranja. Quando a água ferver, junte a aletria, partindo-a com a mão (para as meadas não colarem). Deixe cozer por 3 minutos, depois retire, escorrendo a água. Entretanto o leite deve ter sido fervido com 2 cascas de limão e 2 de laranja. No tacho onde tem o leite fervido, junte a aletria pré-cozinhada e vá mexendo, em lume brando/médio, até a aletria absorver o leite todo. No fim junte o açúcar e deixe cozinhar mais 3 minutos, mexendo sempre.
Retire do lume, retire as cascas de citrinos, e deite umas colheradas de aletria numa taça onde colocou 4 gemas ligeiramente batidas. Misture isto muito bem e depois vá juntando ao tacho de aletria com cuidado para as gemas não talharem. Depois leve ao lume cerca de 4 minutos apenas para as gemas cozinharem. Retire do lume em definitivo, junte a manteiga, que vai derreter no calor da aletria. Mistura bem e deite num prato de servir. Depois de frio polvilhe com canela.

Bom apetite!



segunda-feira, 24 de abril de 2017

Tarte de coco e morangos



Esta tarte é muito gulosa, fica húmida e com um sabor irresistível. Os morangos, fruta da época, dão-lhe o toque primaveril e um aroma ainda mais delicioso. É a minha sugestão para começarmos esta semana, que tem um feriado, o que sabe sempre bem, principalmente quando está sol :)

Ingredientes:
2 folhas de massa philo
2 dl de água
300 gr de açúcar
4 casquinhas de laranja
200 gr de coco
125 gr de manteiga
5 ovos inteiros
150 gr de morangos pequenos 

Preparação:
Coloque o açúcar, a água e as cascas de laranja num tacho e leve ao lume até obter ponto de pérola. Retire as cascas de laranja e junte o coco ao açúcar em ponto, já fora do lume. Misture muito bem e deixe arrefecer ligeiramente. Junte a manteiga e misture bem até incorporar tudo. Deixe arrefecer ligeiramente. Bata ligeiramente os ovos, numa tigela à parte, e junte-os em fio ao preparado anterior. Forre uma tarteira com duas folhas de massa philo. Verta o preparado de coco por cima e junte os morangos, distribuindo-os um a um pela superfície da tarte. Leve ao forno pré-aquecido a 200ºC durante cerca de 30 minutos.

Bom apetite!

sábado, 15 de abril de 2017

Folar de enchidos # Sugestões de Páscoa




Adoro pôr as mãos na massa, como sabem! Amassar é muito relaxante e ver a massa a levedar, a crescer e depois a transformar-se em alimento por ação do calor é algo maravilhoso! É algo que remete para a origem de tudo, do que é a essência do alimento e da vida. O cereal nasce da terra e depois é transformado até chegar às mãos de quem cozinha e que continua a transformá-lo em algo delicioso. As massas podem ser tão simples como a mistura de farinha com água ou serem tudo aquilo a que a nossa imaginação culinária nos consiga desafiar. Ainda não sou suficientemente experiente nestas matérias para inventar com massas que têm que levedar, por isso, nestes casos, sigo sempre uma receita. Esta vinha na revista do Continente deste mês, fiz ligeiras adaptações e experimentei. Fez sucesso! É mais uma sugestão para a vossa mesa de Páscoa, para os que ainda tenham paciência de ir pôr as mãos na massa ;)  Se não for para agora, fica a sugestão para qualquer altura do ano. Esta receita é sucesso garantido em qualquer lanche! A qualidade dos enchidos faz a diferença e deve ser tida em conta. Mais uma vez estes foram comprados no Talho Batcarnes, onde me costumo abastecer. Enchidos fumados em lenha, que deram um sabor muito especial ao meu folar.
Desejo a todos uma Páscoa feliz, que possa ser um momento de renovação e mudança positiva.

Ingredientes:
3 chávenas de farinha (360 gr)
15 gr de fermento de padeiro seco (granulado)
1/4 chávena de água
1/2 chávena de leite
3 colheres de sopa de azeite
2 colheres de chá de sal
2 colheres de sopa de açúcar 
1 ovo
1 farinheira
Meio chouriço de carne
Meio chouriço mouro

Preparação:
Numa taça coloque a farinha, o fermento, a água e o leite mornos, o azeite, o açúcar e o sal, Misture bem e depois junte o ovo. Amasse energicamente à mão ou na batedeira com o gancho de amassar durante 8 minutos. Coloque a massa numa tigela untada com azeite e tape. Deixe repousar e crescer num local quente durante 1 hora.
Enquanto a massa leveda, coza a farinheira e depois desfaça-a com um garfo. Corte os chouriços em pequenos pedaços e misture tudo, incluindo a farinheira.
Polvilhe a bancada com farinha e estique a massa com a ajuda do rolo até formar um retângulo com cerca de 50 x 20 cm. Espalhe os enchidos por toda a massa e dobre as abas para dentro no sentido do comprimento, de forma a que as carnes fiquem "escondidas" dentro do rolo formado pela massa. Pode fazer apenas um folar grande. Eu optei por dividir em dois, enrolei cada metade do grande rolo de massa, ajeitei as pontas e polvilhei com farinha. Convém fazer isto já em cima do tabuleiro forrado com papel vegetal onde a massa irá ao forno.
Leve ao forno pré-aquecido a 190ºC durante 40 minutos.
 
Bom apetite e boa Páscoa!

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Arroz doce cremoso aromatizado com laranja #Sugestões de Páscoa



A receita de arroz doce por aqui é sempre a mesma. Por um motivo simples: é o melhor que já comi! É a receita da minha avó, que uma senhora lhe deu há muitas décadas, quando a minha avó era jovem e eu ainda não era sonhada... É o arroz doce que fui habituada a comer desde criança e que todos na família adoramos. A diferença que introduzi desta vez foi o aroma de laranja em vez do limão que, normalmente, usamos. Ficou uma maravilha! Partilhei-o com a minha turma de pilates e eles comeram com muita satisfação, o que me deixou bastante feliz. O meu amigo Henrique, filho de uma amiga, também provou. Ela adora arroz doce e eu lembrei-me de lhe guardar um pouco. Ainda bem que o fiz, pois o pessoal do pilates devorou tudo num instante :) A professora bem pode preparar umas aulas duras para o período "Pós-Páscoa"...

Ingredientes:
250 gr de arroz carolino
375 gr de açúcar
1 litro de água
1 litro de leite gordo do dia (previamente fervido)
Cascas de uma laranja inteira (só a parte laranja)
1 pitada de sal grosso
4 gemas de ovos tamanho L
125 gr de manteiga com sal
Canela em pó para polvilhar e raspas de laranja a gosto

Preparação:
Num tacho grande coloco a água com uma pitada de sal e algumas cascas da laranja. Quando estiver a ferver, junto o arroz, baixo o lume e vou mexendo sempre até o arroz cozer e abrir o bago completamente. Não escorro água nenhuma, ou seja, deixo cozer o arroz até este absorver toda a água, sempre em lume brando para que coza lentamente. Depois começo a juntar o leite que ferveu com as restantes casca de laranja. Vou juntando aos poucos e mexendo sempre. Quando o leite começa a ser adicionado já o arroz está completamente cozido. Vão mexendo sempre para ganhar nata e o arroz continuar a libertar toda a sua goma. Adicionamos todo o leite, mexendo sempre e retiramos as cascas de laranja.
Por fim, adicionamos o açúcar. Mexemos novamente e deixamos cozinhar por 5 minutos. O açúcar adicionado no fim torna o arroz mais cremoso. Depois de encorpado o açúcar, retiro o tacho do lume. Numa tigela bato 4 gemas de ovos, junto-lhe umas colheradas de arroz e misturo tudo bem. De seguida junto esta mistura ao restante arroz, mexendo e misturando com muito cuidado (tacho fora do lume). Só depois das gemas estarem completamente misturadas (para não talharem) é que o tacho volta ao lume mais 5 minutos para as gemas cozinharem, mas sem talhar, por isso devem estar previamente bem misturadas no arroz.
O conselho é repetitivo, mas é mesmo assim: mexam sem parar! Este arroz doce é para fazer com tempo e dedicação, leva uma hora ou mais ao lume. Mas o resultado vale tanto a pena.... Seguindo com a receita: depois do passo anterior, retiramos em definitivo o tacho do lume e adicionamos toda a manteiga que vai derreter no calor do arroz. Mexemos bem mais uma vez para a manteiga derreter completamente e está pronto! Deixem arrefecer e decorem com canela em pó e raspas de laranja se gostarem.

Bom apetite e votos de uma Páscoa Feliz!



segunda-feira, 10 de abril de 2017

Perna de borrego no forno com pesto de hortelã # Sugestões de Páscoa






Bacalhau, borrego, cabrito, andam mais ou menos por aí os pratos típicos da Páscoa. Na vossa família têm alguma tradição especial? Se têm, partilhem connosco! Aqui em casa, como sempre e como em qualquer festa, não pode faltar o arroz doce cremoso (receita AQUI). Amanhã até vou fazer para levar para a simpática turma de Pilates que frequento.
As bolas e os folares também são típicos desta festividade e eu adoro, tantos os doces, como os salgados. Este ano ainda tenho o objetivo de experimentar um folar de enchidos. Entretanto, para quem gosta desse género de receita, podem ver AQUI uma bola de carnes que é muito boa.
Quanto à receita de borrego, bem sei que há muitas pessoas que não apreciam esta carne, mas se for bem temperada, fica deliciosa. No tempero usei o limão e o gengibre para dar frescura e acidez e depois juntei um pesto de hortelã ao prato e ficou magnífico. O facto da carne ser de boa qualidade também ajuda... e muito! Esta perna de borrego vinha impecável, bastante limpa e pronta a confecionar, comprei-a no talho Batcarnes, na Castanheira do Ribatejo, onde habitualmente me forneço. Não me canso de dizer que adoro lá ir porque a carne é mesmo de muita confiança e o serviço é do mais simpático que já vi! Se foram da zona de Vila Franca de Xira e quiserem experimentar, não deixem de provar os enchidos caseiros, a farinheira é mesmo fumada a lenha... hum! É uma delícia! Até parece que estou a sentir o cheirinho ;)

Ingredientes:
1 perna de borrego com 1 kg a 1,5 kg
1 limão
2 colheres de sobremesa de pasta de alho
1 colher de chá de gengibre em pó
4 folhas de louro
2 colheres de chá de pimentão doce 
1 malagueta ou 1 colher de café de paprika picante
2 colheres de chá de mistura de ervas aromáticas secas (alecrim, tomilho, etc)
Sal grosso qb
Pimenta qb
1 dl de azeite
1 cebola grande
Batata doce e grelos de couve para acompanhar
Para o pesto: um molho de hortelã (aproveite só as folhas), 1 colher de sopa de caju, 0,7 dl de azeite de boa qualidade, 1 colher de sopa de Queijo da Serra meia cura, 1 dente de alho pequeno, sal e pimenta qb

Preparação:
De véspera, arranje e tempere a carne. Esfregue a perna de borrego com limão. Numa taça ou almofariz junte a pasta de alho, a mistura de ervas aromáticas, o gengibre em pó, a paprika, o pimentão doce e a pimenta. Junte um fio de azeite e misture tudo muito bem. Barre a perna de borrego de ambos os lados com esta mistura. Coloque a carne a repousar num tabuleiro e cubra com película aderente. Deixe nesta vinha de alhos de um dia para o outro.
No dia de cozinhar tempere a carne com sal grosso. Deite azeite numa frigideira anti-aderente e sele a carne, tostando-a bem de todos os lados durante alguns minutos. Num tabuleiro deite mais um fio de azeite, a cebola cortada  em meias luas e disponha a carne por cima. Regue com o restante azeite, que aproveitou depois de tostar a carne. Leve ao forno a 200º durante 60 a 80 minutos ou até dar um pequeno golpe e verificar que a carne está cozinhada. 30 minutos antes de terminar o assado, junte batata doce em rodelas e deixe-a assar com a carne.
Prepare o molho pesto colocando todos os ingredientes numa picadora ou processador de alimentos. Sirva a carne com a batata doce, grelos salteados, o pesto de hortelã e mais folhas de hortelã para dar frescura. É uma receita deliciosa, este molho de hortelã é divino e dá um toque muito diferente ao prato.
Bom apetite e votos de uma Páscoa Feliz!



sexta-feira, 7 de abril de 2017

Pão de ló cremoso de chocolate # Sugestões de Páscoa



Uma das melhores coisas dos tradicionais festejos familiares é juntar aqueles de quem gostamos e partilhar boa comida à mesa. A culinária está sempre presente nos festejos dos portugueses e isso é muito bom! Partilhar receitas de família, reinventá-las e apreciar um convívio acompanhado de bons pratos, doces suculentos e regado com os nossos excelentes vinhos é dos maiores prazeres da vida.
Hoje trago-vos uma sugestão para a Páscoa, uma ideia doce, tentadora e que dá muito pouco trabalho, acreditem! E é destas ideias que mais gostamos, verdade? ;) Rápidas e deliciosas! Votos de uma Páscoa feliz para todos!

Ingredientes:
6ovos inteiros
130 gr de açúcar
80 gr de chocolate em pó
1 colher de chá de aroma de baunilha
1 colher de chá de fermento em pó

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 190ºC. Bata os ovos inteiros com o açúcar e a baunilha durante 15 minutos com as varas de arames, de preferência na batedeira elétrica. Junte o chocolate em pó (peneirado) e o fermento. Envolva delicamente e verta o preparado numa forma redonda untada e forrada com papel vegetal. Leve a cozer a meio do forno (com as duas resistências ligadas) durante 15 minutos. Se o forno for ventilado, pode reduzir o tempo de cozedura 2 a 3 minutos.
Depois de pronto, retire do forno e retire o bolo da forma, com a ajuda do papel vegetal, só depois de ligeiramente arrefecido para não se desmanchar. Deve ficar bastante cremoso por dentro.
O cozimento a baixa temperatura faz com que crie uma crosta crocante por fora.

Bom apetite!


sexta-feira, 31 de março de 2017

Bacalhau com caril de vegetais e laranja # Sugestões de Páscoa



Como ADORO bacalhau, estou sempre a imaginar novas formas de o preparar e surpreender-me a mim própria e a quem convido para jantar. Neste caso era o meu marido ;) Ele está convidado todos os dias, mas nem sempre o prato é assim tão especial. Escolho os fins-de-semana para dar largas à imaginação, aos pratos mais gulosos e às receitas doces. Ultimamente até tenho feito mais doces e sobremesas, eu que sou mais mulher de comida salgada, pratos principais, entradas, petiscos... Afinal, eu sou mulher de gostar de tudo, a verdade é essa! Gosto de cozinhar tudo e de comer tudo e isso não põe fronteiras aos limites da minha imaginação e à vontade de misturar sabores. Desta vez foi o bacalhau com caril, laranja, espargos... dúvidas? Não tenham receio, experimentem, porque é mesmo uma delícia. Não hesitem em juntar a laranja, pois liga muito bem com o caril e dá muita frescura ao prato. Esta é uma receita cheia de sabor, ideal para dar as boas vindas à primavera e também servir desde já como sugestão para as vossas mesas de Páscoa.

Ingredientes:
4 lombos de bacalhau (2 postas grandes partidas ao meio)
2 cebolas roxas
2 molhos de espargos
400 gr de couve romanesco
3 dentes de alho
Azeite qb
4 colheres de sopa de pasta de caril (comprei em fraco, já pronta)
120 ml de iogurte grego
Sal qb
Pimenta qb
Salsa qb
Arroz solto para acompanhar
1 laranja

Preparação:
Coloque um fio de azeite numa frigideira anti-aderente e salteie os espargos, temperando-os com sal e um dente de alho picado. Salteie cerca de 4 minutos e reserve. Na mesma frigideira frite uma das cebolas. Corte-a em meias rodelas grossas e frite de forma a ficarem crocantes. Retire e reserve em papel absorvente.
Coza a couve romanesco em água com sal (com o recipiente destapado) até estar macia, mas não demais, não se deve desfazer, deve ficar "rijinha". 
Numa frigideira anti-aderente deite um generoso fio de azeite e a outra cebola em meias-luas, bem como 2 dentes de alho laminados. Deixe refogar ligeiramente até a cebola amolecer, mas sem fritar. Quando estiver macia, junte a pasta de caril e 1 dl de água, deixe cozinhar em lume médio até a água reduzir. Nesse momento junte os lombos de bacalhau e mais um pouco de água, tape e deixe cozinhar cerca de 10 minutos.
Retire o bacalhau e reserve. Junte o iogurte grego, o sumo de uma laranja e deixe o molho apurar cerca de 2 minutos. Retifique de sal e pimenta. Por fim, junte os lombos de bacalhau e os vegetais, envolva tudo. Antes de servir polvilhe com salsa picada, raspas da casca de laranja e a cebola roxa frita para dar textura.

Bom apetite! Bom fim-de-semana!

segunda-feira, 20 de março de 2017

Bolo húmido de coco e frutos vermelhos




Este bonito coração foi o bolo que fiz para levar para o almoço do Dia do Pai. O pai gostou e o resto da família também, pois todos adoramos coco. Fez enorme sucesso, é um bolo que fica húmido e denso, mas nada enjoativo. Os frutos vermelhos equilibram o bolo com alguma acidez e a mistura com o coco é mesmo muito boa. 
Como hoje é o primeiro dia da primavera e o Dia Internacional da Felicidade (mas não são todos?), achei boa ideia partilhar este bolo tão risonho e primaveril. Eu gosto da primavera porque é a "minha" estação, a época do ano em que nasci, em que casei, mas também porque é mais um passo a caminho do verão :) :)

Ingredientes: 
300 gr de açúcar
2 dl de água
3 cascas de laranja + sumo de meia laranja
200 gr de coco ralado
125 gr de manteiga sem sal
5 ovos L inteiros
100 gr de farinha com fermento
100 gr de frutos vermelhos (usei 50 gr de mirtilos + 50 gr de framboesas)

Preparação:
Coloque o açúcar, a água, o sumo de laranja e as cascas num tacho e leve ao lume até obter ponto de pérola. Retire as cascas de laranja e junte o coco ao açúcar em ponto, já fora do lume. Misture muito bem e deixe arrefecer ligeiramente. Junte a manteiga e misture bem até incorporar tudo. Bata ligeiramente os ovos numa tigela e junte-os lentamente (em fio) ao preparado anterior. Junte a farinha peneirada e os frutos vermelhos e envolva. Deite a massa numa forma untada e leve ao forno pré-aquecido a 200ºC durante 40 minutos. Desenforme depois de frio e sirva com mais frutos vermelhos.




quarta-feira, 15 de março de 2017

Soufflés de cacau




Altos, fofos, leves... crocantes por fora e cremosos por dentro. Tão, mas tão bons e tão simples de fazer, estes soufflés de cacau são soberbos e ideais para quando aparece uma visita de última hora porque se preparam muito rapidamente. Também podem ser confecionados com chocolate em pó para quem não apreciar o sabor do cacau/chocolate negro. São deliciosos só assim ou acompanhados de uma bola de gelado. É a minha sugestão para o Dia do Pai, espero que gostem. Pelo menos o meu pai e eu gostamos bastante de chocolate negro.

Ingredientes para 4 soufflés:
4 ovos inteiros tamanho L
150 gr de açúcar
80 gr de cacau em pó (ou chocolate em pó, nesse caso utilize apenas 120 gr de açúcar)
1 colher de chá de fermento em pó
Açúcar em pó para polvilhar.

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 200ºC. Bata o açúcar com os ovos inteiros com a vara de arames da batedeira elétrica durante 10 minutos, até obter uma mistura tipo mousse, bastante leve e fofa.  Com uma espátula, envolva o cacau em pó e o fermento e distribua o preparado pelos "ramequins" ou taças que possam ir ao forno. Leve ao forno pré-aquecido ligado no modo ventilado. Deixe cozer por 8 a 10 minutos e retire. Pode servir de seguida, ainda mornos, com ou sem gelado.




quarta-feira, 8 de março de 2017

Fofos de pistácio e o meu pensamento sobre o Dia da Mulher



Fiz esta sobremesa para o Dia dos Namorados e partilho hoje convosco, hoje, Dia da Mulher. Tenho que ser sincera que não ligo muito a estes dias, mas também não me incomodam. Posso fazer algo especial e não me importo mesmo nada de assinalar estas datas ou participar nelas. Nós, eu e a minha cara metade, temos os nossos dias especiais, que são as nossas datas, que assinalamos sempre à nossa maneira. De resto, tentamos ser felizes e amigos todos os dias e respeitarmo-nos o mais possível, enquanto seres humanos e não enquanto "homem" ou "mulher".
Em relação a este dia, até é um pouco triste que tenha que haver uma data própria para lembrar o género feminino, mas isso é sinal que, de facto, ainda não há igualdade. Vou pedir emprestadas umas palavras de José Saramago, excerto que um amigo hoje publicou no meu mural de facebook: "Para começar, gosto das mulheres. Acho que elas são mais fortes, mais sensíveis e que têm mais bom senso que os homens. Nem todas as mulheres do mundo são assim, mas digamos que é mais fácil encontrar qualidades humanas nelas do que no género masculino. Todos os poderes políticos, económicos, militares são assunto de homens. Durante séculos, a mulher teve de pedir autorização ao seu marido ou ao seu pai para fazer fosse o que fosse. Como é que pudemos viver assim tanto tempo condenando metade da humanidade à subordinação e à humilhação?".
Achei muito curiosa a escolha destas palavras por parte do meu amigo porque, de facto, sou uma mulher que nunca pediu autorização para nada. Partilho o que entendo com quem entendo, as minhas escolhas, as minhas dúvidas, os meus sonhos. Não partilho para pedir autorização para nada. Peço opinião a quem acho que vale a pena pedir, concordando ou discordando de mim, não peço autorização para nada, peço opiniões. Sou generosa com quem acho que o merece e a quem o meu coração quer dar prendas, sem que para isso tenha que pedir autorização a alguém. Sou assim, quem não gostar, terá que pedir autorização para fazer parte da minha vida... Provavelmente não a darei.
 
Voltando às paparocas, espero que gostem desta receita, bonita, feminina e deliciosa! O creme verde é uma espécie de "nutella" de pistácio que comprámos na Sicília, é uma MA-RA-VI-LHA! Cá nunca vi à venda, por isso podem substituir por um creme de chocolate ou tentar fazer um creme doce com pistácios ou outro fruto seco. Eu nunca fiz essa experiência, mas prometo que vou tentar.
 
Ingredientes:
6 claras
Uma pequena pitada de sal fino
150g de açúcar
60g farinha fina com fermento
200 ml de nata fresca
Creme de pistácio ou de chocolate e avelã ou outro a vosso gosto qb
Frutos secos para decorar (usei pistácios)
 
Preparação:
Bata as claras em castelo com o sal até formarem picos macios. Sempre com a máquina a bater, junte 100g de açúcar a pouco e pouco até obter um merengue bem firme. Misture a farinha com os restantes 50g de açúcar e peneire diretamente para o merengue, envolvendo delicadamente à mão. Coloque num tabuleiro retangular forrado com papel vegetal. Espalhe bem e alise a massa. Leve a forno pré aquecido a 180º durante 15 minutos.
Desenforme e corte, depois de arrefecida a massa, com um cortador redondo. Corte a placa de bolo em círculos. Em cada prato disponha um círculo, creme de pistácio, mais bolo, nata fresca batida (sem açúcar). Termine com pistácios torrados ou outro fruto seco a gosto.

Bom apetite!