sábado, 3 de dezembro de 2016

Sonhos de Natal



Esta é a receita de Sonhos de Natal que está num livrinho que ofereci à minha avó em abril de 93, por ocasião do 63º aniversário dela. Este ano a avó já completou 86 primaveras. Deu-me o livrinho, que tem receitas e anotações escritas pela sua própria mão, por mim e pela minha prima. Já me disse que vai fazer pastéis de bacalhau e pudim para trazer para a ceia de Natal. Não é das melhores prendas que se pode receber? Adoro a minha avó!

Ingredientes:
2,5 dl de água
2,5 dl de leite
100 gr de margarina
1 casca de limão
Uma pitada de sal
6 ovos
300 gr de farinha de trigo (usei farinha muito fina já com fermento)
Óleo para fritar
Açúcar e canela qb para polvilhar

Preparação:
Deite a água, o leite, a margarina, a casca de limão e uma pitada de sal num tacho e deixe aquecer até ferver. Nesse momento junte a farinha toda de uma vez e mexa, com o lume médio, até que a massa faça uma bola e se despegue do tacho (tal como na massa de rissol). Deixe a massa arrefecer e retire a casca de limão. Depois coloque-a na batedeira (ou bata à mão com uma colher de pão, mas é necessário bater com muita força para a massa ficar fofa). Vá batendo e juntado os ovos inteiros um a um até que a massa esteja a fazer bolhas. Deve bater cerca de 12 minutos na batedeira com o gancho. Aqueça óleo entre os 180º e os 190º e frite colheradas de massa durante 7 a 10 minutos, conforme o tamanho. As bolas de massa devem crescer, "tufar" e rebentar, é isso que faz com que os fritos fiquem fofos. Tirei a foto de um por dentro para verem como deve ficar, a massa fofa, esburacada e mesmo oca. O óleo não deve estar demasiado quente para que os fritos não fiquem queimados por fora e a massa crua por dentro.
Espero que gostem, estes sonhos são divinais por serem muito fofos e ficarem ocos e leves.
Depois de os fritar, polvilhe com uma mistura de açúcar e canela. eu costume retirá-los da fritadeira com uma espumadeira, escorrer um pouco e depois coloco-os diretamente no açúcar com canela.

Bom apetite e boas festas!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Doce de romã



Começa hoje o mês do Natal e eu continuo com as minhas pequenas bricolages e ideias para prendas, com a decoração de latas, caixas e outras embalagens e, claro, com a confeção de coisas boas para pôr lá dentro. Presentear família e amigos com iguarias feitas por nós é uma forma muito especial de mimar aqueles de quem gostamos, faço isso há vários anos. Compotas, bolachas e chocolates, patés e chutneys, são alguns dos miminhos que costumo preparar. As compotas e doces são o que pode ser confecionado com mais antecedência, por isso já iniciei essa tarefa. Todos os anos gosto de fazer uma compota diferente e este ano a escolha recaiu sobre este doce de romã, cuja receita vi na Dica do LIDL. Como gosto muito de romã e a minha prima me ofereceu algumas biológicas, deitei logo mãos à obra, sendo que também serviu como sugestão para mais este desafio do grupo "Dia Um... Na Cozinha". O doce ficou uma maravilha, além de lindíssimo com a côr da romã e os bagos espalhados por todo o frasco, fica uma prenda muito bonita. Espero que gostem e possam fazer para os vossos amigos.


Ingredientes:
1 kg de bagas de romã (cerca de 1,4 kg antes de as descascar)
750 gr de açúcar
Sumo de 1 limão

Preparação:
Descasque romãs até obter 1 Kg de bagos. Junte 750 gr de açúcar e sumo de um limão e deixe a macerar, já dentro do tacho, durante uma hora. No fim desse tempo leve ao lume para fazer a compota e deixe cozinhar durante mais uma hora.
Depois de pronto, coloque o doce em frascos esterilizados, feche-os, vire-os de cabeça para baixo e deixe assim de um dia para o outro para criar vácuo.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Fofos de castanha



Esta é mais uma receita fantástica do Chef Tiger. Simples e deliciosa, daquelas que saem bem à primeira e resultam nuns docinhos que são difíceis de parar de comer. Não são queques nem queijadas, o Chef Tiger chama-lhes pasteis, mas eu chamei-lhes "fofos" porque ficaram muito fofinhos, mas suculentos e com alguma humidade ao mesmo tempo. Para quem gosta de castanha, é altamente aconselhável :)

Ingredientes:
500 gr de castanhas
250 gr de açúcar
4 ovos XL
Meio cálice de vinho do Porto (usei Madeira)
1 pau de canela
1 colher de chá de erva doce
Preparação:
Dê um corte lateral às castanhas e coza-as até fi carem macias (cerca de 20 minutos) com o pau de canela e a erva doce. Prepare pequenas formas, untando-as com azeite e polvilhando-as com farinha.
Descasque as castanhas. Reduza-as a puré. Bata as gemas com o açúcar. Adicione o vinho do Porto e continue a bater. Junte o puré de castanhas e envolva. Bata as claras em castelo e incorpore no creme de castanhas. Encha as formas e leve ao forno pré aquecido (160º) cerca de 15 minutos - isto era o que dizia a receita, mas no fim deste tempo estava tudo líquido. Cozi os fofos a 180º durante cerca de 25 minutos.


quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Legumes assados com coxas de frango, presunto e mostarda




Este prato é só simplicidade, apenas isso. Ingredientes simples, uma preparação simples e o forno ligado para trazer algum calor a estes dias frios. Os legumes assados com a casca preservam todo o sabor e os sucos no seu interior. As chalotas e os alhos ficam adocicados, enquanto o frango fica com o sabor salgado do presunto e o aroma da mostarda, conjugando tudo tão bem, que se torna difícil parar de comer. Esta é uma refeição simples, para apreciar sem pressas.

Ingredientes para 4 pessoas:
8 coxas de frango
8 colheres de sopa de mostarda
8 fatias de presunto
Legumes a gosto: batata doce, cenouras de várias cores, chalotas,  abóbora, uma cabeça de alhos
Sal e tomilho qb
0,5 dl de azeite

Preparação: 
Lave todos os legumes, não lhes retire a casca e disponha-os num tabuleiro de forno, temperados com um fio de azeite, sal e tomilho. Retire a pele às coxas do frango, tempere com muito pouco sal e barre-as com mostarda. Depois embrulhe cada coxa numa fatia de presunto. Disponha o frango num tabuleiro e regue com um fio de azeite. Leve ambos os tabuleiros ao forno a 200º e deixe cozinhar durante 30 a 40 minutos.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Bolachas de manteiga, laranja e canela # Sugestões de Natal



Estas bolachas são do tipo bolacha de manteiga inglesa ou bolacha shortbread, com ligeiras alterações. Estas levam um ovo e aroma de laranja e canela. Não exagerei na canela para dar apenas um toque subtil deste aroma, bem como da laranja, mas podem pôr a gosto. Fiz esta primeira fornada para vos mostrar e dar uma ideia para prendas de Natal. Há muitos anos (ainda antes de ter o blog) que faço prendinhas caseiras e comestíveis para oferecer a algumas pessoas. São muito apreciadas e eu faço-as com muito carinho. Normalmente também me empenho em embalagens e embrulhos bonitos.
Este ano juntei latas redondas (de cogumelos, ervilhas, etc) e decorei-as. É um trabalho que ainda está em curso, mas mostro-vos uma ou duas como exemplo. Depois de lavadas as latas, pressionei o rebordo em toda a volta com um alicate para que não fiquem arestas cortantes. Não fui eu que fiz, foi o meu marido, acho aconselhável pedir emprestada a força de um homem para esta tarefa ;) De seguida forrei-as com pedaços de papel que tinha, restos de rolos de Natais anteriores, papel crepom, fitas ou pequenos enfeites que costumam vir nos presentes nesta altura do ano. Pode parecer um pouco infantil, mas eu costumo guardar tudo o que esteja em bom estado e reciclo de uns anos para os outros. Nunca peço nas lojas para me embrulharem os presentes, faço-o em casa e também é assim que estou a decorar as latas. Usei cola branca com acabamento transparente (é branca, mas fica transparente depois de seca, como podem ver na foto, pelo que podem passar por cima do papel ou outros materiais). No dia seguinte, depois da secagem, colei fitas e pequenos enfeites, enchi a lata com as bolachas e embrulhei com o papel celofane e. O celofane foi a única coisa que tive que comprar, tudo o resto foi reciclado ou restos de rolos de fitas que tinham sobrado do ano passado.
Ficou giro? Deixem a vossa opinião e inspirem-se para fazer as vossas próprias prendas e embrulhos de Natal.

Ingredientes para cerca de 40 bolachas:
300 gr de farinha sem fermento
200 gr de manteiga sem sal
150 gr de açúcar branco
1 ovo
1 colher de chá de canela em pó
Raspa de uma laranja grande
Açúcar mascavado qb (cerca de 1 colher de sopa)

Preparação:
Amasse todos os ingredientes numa tigela com uma colher de pau, com a batedeira ou com as mãos. Fome uma bola com a massa e deixe-a descansar 15 minutos no frigorífico. Enquanto isso, pré-aqueça o forno a 190º.
Depois molde umas bolinhas com a massa e coloque-as num tabuleiro forrado com papel vegetal ou tapete de silicone. Com a ajuda do rolo da massa, achate as bolinhas para que fiquem em bolachas. Polvilhe com açúcar mascavado do mais grosso e granulado. Volte a passar suavemente com o rolo da massa para o açúcar agarrar. Leve ao forno durante 15 minutos. Retire e deixe as bolachas arrefecerem.

Bom apetite!


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Creme de abóbora assada com crocante de queijo da Ilha



Ai o que eu gosto de queijo... e o que eu gosto de queijo da Ilha! É uma perdição e quem segue o blog já se deve ter apercebido disso ;) Tenho ideias para pôr queijo em tudo e, ainda assim, tento controlar-me! Neste caso fiz um crocante de queijo da Ilha para acompanhar um creme de abóbora. O crocante traz textura ao creme e o salgado do queijo contrasta com o sabor adocicado da abóbora.
Usei abóbora hokkaido, a melhor variedade que já provei até agora. É muito macia e cremosa, tem menos água do que as outras, por isso fica muito consistente. Talvez seja ainda mais doce do que a abóbora menina ou a manteiga, tem um sabor mesmo espetacular, faz lembrar a batata doce. Mas, acima de tudo, tem uma textura e consistência perfeitas. Cozinhada no forno é boa para utilizar em doces, para comer como acompanhamento de uma carne ou para fazer uma sopa ou creme. Este ficou uma maravilha e é muito reconfortante, perfeito para estes dias friozinhos... estamos quase no inverno e no Natal, é verdade.

Ingredientes:
1 abóbora hokkaido com cerca de 1,5 kg
1 alho francês
1/2 litro de água
Sal e pimenta qb
Azeite qb
50 gr de queijo da Ilha
2 colheres de sopa de sementes de abóbora

Preparação:
Lave a abóbora e asse-a inteira e com casca  no forno a 190º durante 40 minutos.
Enquanto a abóbora assa coloque um fio de azeite num tacho e junte o alho francês em rodelas finas, tempere de sal e deixe amolecer sem ganhar cor. Quando começar a secar, junte a água, retifique de sal e deixe cozinhar neste caldo mais 5 minutos.
Assim que a abóbora esteja assada, retire as sementes e a pele e junte toda a polpa ao caldo de alho francês. Triture tudo com a varinha mágica até obter um creme e retifique de sal. Tempere também com um pouco de pimenta moída na altura, se gostar.
Termine com um fio de azeite e sirva este creme com as sementes de abóbora e o crocante de queijo.
Para o crocante: rale o queijo e misture-o com as sementes de abóbora. Num tabuleiro forrado com papel vegetal coloque colheradas da mistura, faça montinhos e depois achate-os, de forma a ficarem planos. Leve ao forno pré-aquecido a 180º durante 5 a 10 minutos ou até estarem dourados. Retire do forno e deixe arrefecer para ficarem crocantes. Retire-os do papel vegetal com uma espátula e coloque um crocante em cada prato de sopa.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Doce de dióspiros




Os  dióspiros são um dos frutos desta época de que gosto, principalmente dos mais molinhos, que como à colherada. Em relação aos dióspiros de roer, gosto de os usar em saladas e outros pratos. Desta vez fiz compota, nunca tinha experimentado, mas inspirei-me numa receita que vinha na Dica, do LIDL, e introduzi as minhas alterações. Ficou um doce bom e diferente devido ao aroma do cravinho e à adstringência do dióspiro, que fica acentuada quando este é cozinhado e apurado.

Ingredientes:
1 kg de dióspiros de roer
700 gr de açúcar
1 dl de água
Sumo de 2 tangerinas
Casca de 1 tangerina (só o vidrado, a parte laranja)
1 cabeça de cravinho

Preparação:
Coloque o açúcar com a água e o sumo de tangerina num tacho e leve ao lume até borbulhar. Nesse momento junte os dióspiros previamente descascados e cortados em pedaços. Junte o cravinho e as cascas de tangerina. Vá mexendo e deixe apurar cerca de uma hora ou até obter uma consistência de compota. No fim retire o cravinho e as cascas.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Arancini de farinheira e espinafres # Sicília




Esta é mais uma receita inspirada na viagem à Sicília. Em 11 dias de férias na maior ilha do Mediterrâneo eu e o meu marido comemos arancini todos os dias. Acabadinhos de chegar e esfomeados, parámos num café de uma pequena localidade e o dono, super simpático, quis que provássemos um arancini. Foi a primeira vez que comemos, mas não foram os melhores, foram apenas a descoberta de um grande petisco que depois provámos em várias versões.
Eu tinha lido antecipadamente sobre a gastronomia siciliana e sabia que os arancini eram uns bolinhos de arroz recheados. Existem vários recheios, sendo que os mais comuns são os de carne com molho de tomate e ervilhas ou os de fiambre e molho bechamel. Estes últimos são os preferidos do meu marido e ele ficou louco por este prato. Um dia, na cidade de Ragusa, também provei uns de espinafres, que adorei! Andámos a fazer um autêntico "teste de prova" durante as férias e um ranking dos melhores arancini que íamos descobrindo. "Este é melhor que o de ontem... Eu acho que o de ontem era melhor, quentinho e acabado de fritar... Este arroz é mais saboroso... O outro tinha mais recheio...". Uma coisa ficou certa e foi-me dita pelo meu companheiro de viagem logo nos primeiros dias: "Tu TENS que aprender a fazer isto!". E logo ali me surgiu a ideia de "aportuguesar" os arancini, adaptando-os com alguns sabores mais tugas, como foi o caso destes com a farinheira. Ainda assim, os primeiros que fiz quando cheguei a casa foram os preferidos do rapaz, os de bechamel, mas não ficaram tão bons. Estes de farinheira e espinafres ficaram muito saborosos e passaram a ser os seus preferidos :) O meu marido gostou tanto dos arancini, que foi comprar uma forma numa loja, ainda lá em Itália, mas eu não me ajeito com a forma e faço-os mesmo é com as mãos. Também trouxe livros de receitas onde me inspirei para os confecionar.
É um prato um bocadinho trabalhoso, pois obedece a vários passos, mas fica realmente uma delícia. Podem fazê-los e congelá-los, tal como se faz com os rissóis. Depois é só fritar e servir como entrada ou prato principal. Atenção, é um petisco que satisfaz a sério, pois cada bolinho é bem maior e mais compacto do que um pastel de bacalhau, por exemplo. Espero que gostem e experimentem este sabor de Itália com o meu toque lusitano.

Ingredientes para cerca de 20 arancini:
2 chávenas de chá de arroz carolino (340 gr)
1 cebola pequena espetada com 2 cravinhos
1 colher de chá de açafrão em pó 
75 gr de queijo Parmesão
2 colher de sopa de manteiga
1 mozzarella dividida em pequenos cubos ou 20 bolinhas de mozarella
Uma farinheira e meia
350 gr de espinafres
0,7 dl de azeite
1 dente de alho
3 ovos, 1 chávena de pão ralado e 1 de farinha para panar
Sal e pimenta qb
Óleo para fritar

Preparação:
Coza o arroz, durante 15 minutos, em água e sal, com a cebola espetada com cravinhos e o açafrão. Após estar cozido, escorra o arroz e envolva nele a manteiga e o Parmesão ralado. Retire a cebola e deixe arrefecer. Numa frigideira anti-aderente deite o azeite e o alho laminado. Quando estiver quente, junte os espinafres e salteie até amolecerem. Junte a farinheira sem pele e vá desfazendo com um garfo. Quando a mistura de farinheira e espinafres estiver bem ligada, desligue o lume e deixe arrefecer.
Para montar os arancini: envolva cada cubo ou bolinha de mozzarella num pedaço de pasta de farinheira, depois envolva em arroz, vá moldando com a palma das mãos até formar uma bola mais ou menos do tamanho da palma da mão "em concha". Por fim passe as bolas por farinha, ovo e pão ralado duas vezes. Leve a fritar em óleo a 175º até os arancini estarem dourados. Sirva como entrada ou prato principal, acompanhando com uma salada. Sirva os arancini quentes, enquanto a mozarela no interior está quentinha e derretida.

Bom apetite!

sábado, 29 de outubro de 2016

Bolo de coco e abóbora




As abóboras têm sido o ingrediente preferido por aqui nos últimos dias. A abóbora já é sempre um dos meus ingredientes preferidos, mas esta semana tem sido mesmo muito utilizada. Porque estamos no tempo delas e porque está quase aí o Halloween ou Dia das Bruxas e veem-se muitas abóboras por todo o lado. As lojas e os supermercados estão cheios de abóboras e, de tanto as ver, estou sempre a ter ideias para as confecionar. Fazer "abobríces", portanto! Este bolo de abóbora e coco fica muito bom, não cresce muito, fica um bolo húmido e consistente. Espero que gostem da sugestão e que vos adoce o fim-de-semana.


Ingredientes:
5 ovos tamanho L
50 gr de farinha sem fermento
1 colher de café de fermento em pó
200 gr de coco
50 gr de mel
150 gr de açúcar amarelo
250 gr de abóbora crua ralada
125 ml de azeite com pouca acidez
Raspa da casca de 1 limão

Preparação:
Bata o açúcar com o mel e o azeite e depois junte os ovos um a um, continuando a bater. Rale a abóbora e seque-a em papel absorvente. Junte o coco, a abóbora e a raspa de limão ao preparado de ovos. No fim junte a farinha peneirada e envolva apenas. Deite a massa numa forma untada e leve a forno pré-aquecido a 180º durante 30 minutos. Depois de desenformar polvilhe com coco ralado, como me esqueci de reservar um pouco, polvilhei com açúcar.

Nota sobre intolerâncias alimentares: houve quem me pedisse receitas sem claras e sem farinha. Neste bolo podem usar-se apenas as gemas (6 em vez de 5) e ser retirada a farinha completamente ou ser usada farinha de coco. 

Bom apetite! Bom fim-de-semana!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Broas dos Santos


A tradição de fazer Broas dos Santos, cozidas em forno a lenha, nunca chegou à minha família. Talvez nem seja muito comum aqui na zona de Vila Franca de Xira. Ou era e já se perdeu o hábito... Quando era pequena lembro-me de tocarem à campainha, na manhã do dia 1 de novembro, a pedirem "Pão por Deus". Mas, nessa altura, já o faziam só por brincadeira, não era (felizmente!) para matar a fome, como acontecia antes.
Atualmente ainda acontece, às vezes, aqui na urbanização. Algumas crianças juntam-se e pedem doces à porta dos vizinhos. Por tradição, as broas e bolos dos Santos eram oferecidos, precisamente, neste ritual do "Pão por Deus". Quem as costuma fazer também oferece a familiares e amigos, que é o que eu vou fazer este ano, pois resolvi experimentar estes bolos tradicionais que já me despertavam a curiosidade há muito tempo. Confesso que não tive coragem de acender o forno a lenha porque chovia no dia em que os fiz (o forno está num local descoberto), mas o meu forno elétrico é espetacular e deu bem conta do recado. Depois de algumas pesquisas, juntei dicas de várias receitas e fiz a minha versão. Juntei-lhes alguns frutos secos, mas as broas também ficam igualmente boas só com a massa. Estas ficaram deliciosas! Uma boa parte delas vai para os colegas da aula de Pilates :) Ficou prometido e... promessa de Paparoca é para cumprir!

Ingredientes para 30 broas de cerca de 8 cm de diâmetro:
1 kg de farinha trigo sem fermento (tipo 55)
1 colher de chá de fermento em pó
600 gr de açúcar
150 ml de azeite
4 ovos + 2 gemas para pincelar
1 colher de chá de erva doce moída
1 colher de sobremesa de canela em pó
Raspa da casca de um limão grande
2,5 dl de leite morno
100 gr de sultanas
Nozes qb (cerca de 30 metades)

Preparação:
Coloque a farinha num recipiente largo. Aqueça o azeite até ferver e deite-o por cima da farinha, misture. Junte os restantes ingredientes: açúcar, especiarias, raspa de limão. Depois junte os ovos e vá batendo. Amasse muito bem à mão ou na batedeira com o gancho de amassar. Vá deitando o leite morno e amassando sempre até obter uma pasta moldável, mas que não seja mole demais para que as broas se possam tender.
Molde as broas e disponha-as num tabuleiro forrado com papel vegetal. Se tiver dificuldade em tendê-las, retire pedaços de massa com uma colher (o equivalente a duas colheres de sopa,). Pincele as broas com gema de ovo batida e coloque uma noz em cada uma. Leve ao forno pré-aquecido a 210º até as broas estarem douradas. Eu coloquei o meu forno na posição de ventilação, com ambas as resistências ligadas e a 200º (com o forno ventilado convém sempre baixar um pouco a temperatura). Cada fornada demorou 12 minutos a cozer.

Bom apetite! Aproveitem bem o fim-de-semana e feriado que se aproxima.