domingo, 25 de setembro de 2016

Parfait de Âmendoa # Sicília



Em maio estive de férias na Sicília com o meu marido. Que terra maravilhosa de mar, montanha, uma história riquíssima, cruzada de tantos povos, culturas e influências. E que boa comida! Há de tudo na ilha, desde peixes a marisco frescos a culturas de fruta, hortícolas e frutos secos. As laranjas são doces, a amêndoa e o pistácio abundam, de verão há figos e uvas, de inverno há castanhas. É tudo muito bom, diversificado e cheio de sabor. As extensões de olival e laranjal são impressionantes. Quando visitámos a ilha as amendoeiras já não estavam em flor e até nos explicaram que ali florescem mais cedo do que o habitual, em janeiro já dão flor. Tem a ver com o clima quente do Mediterrâneo. As terras enriquecidas pela lava do Etna (ainda ativo) ajudam a enriquecer os terrenos, que são fertéis e fazem crescer tudo de forma esplêndida. Depois... cabe aos sicilianos fazer o resto. E eles fazem-no bem feito! Na maioria dos restaurantes podemos comprovar que sabem tratar bem a comida. Em qualquer quiosque de rua a comida é boa. Nos restaurantes as doses são generosas na quantidade e na qualidade da confeção e os preços mais simpáticos do que na Itália continental. Foram umas férias muito gastronómicas. A juntar a uma das melhores gastronomias que já provámos, viemos com a alma cheia de arte, história, praias, paisagens fantásticas e a simpatia do povo siciliano.
Uma das sobremesas que comemos mais do que uma vez foi parfait ou semi-frio de amêndoas ou pistácios. Dos livros de culinária que trouxe da Sicília e de algumas pesquisas que fiz, cheguei a esta mistura que resultou numa receita muito boa, um parfait leve e arejado. Se estiver no congelador muito tempo ficará como um semi-frio bastante gelado. Para o meu gosto, a melhor versão é a intermédia: apenas uma hora de congelador antes de servir.
Deixo-vos fotografias de duas formas diferentes de apresentação (individual e em forma retangular grande) e a foto da sobremesa do primeiro jantar na Sicília, precisamente "Parfait de Amêndoa". Comemos esta sobremesa várias vezes, de amêndoa e de pistácio, sempre muito bem confecionada.

Ingredientes:
- 1 lata de leite condensado cozido
- 6 folhas de gelatina neutra
- 0,5 l de natas batidas (usei nata de soja para bater)
- 100 g de amêndoa moída (metade com pele e metade sem)
- 2 a 3 colheres de vinho doce Marsala aromatizado com amêndoa

# Para um sabor mais intenso a amêndoa, podem utilizar essência/aroma de amêndoa ou o licor. Como utilizei o vinho acabou por ficar com um sabor muito suave, delicado e subtil, mas maravilhoso

Para o molho de chocolate: 100 gr de chocolate com 70% cacau, 1 colher de sopa de leite, 1 colher de sopa de mel, 2 de manteiga e 2 de mel

Preparação:
Demolhe as folhas de gelatina num pouco de água fria. Depois dissolva-as num pouco de leite quente, de preferência leite de amêndoa. Bata o leite condensado com a batedeira elétrica até crescer um pouco de volume e ficar fofo e arejado. Junte o vinho licoroso e a amêndoa moída. Misture tudo bem e por fim envolva as natas previamente batidas. Coloque o preparado em aros individuais ou numa forma grande (retangular ou redonda) e leve ao frigorífico no mínimo 6 horas (o melhor é ficar de um dia para o outro). Uma hora antes de servir coloque o doce no congelador.
Misture os ingredientes para o molho e leve tudo a derreter em banho-maria de forma a obter um molho espesso. Sirva o parfait com o molho, amêndoa torrada e uns biscoitos de amêndoa.

Nota: esta receita é bastante grande, podem fazer meia receita o que será suficiente para 6 pessoas.Se abrirem uma lata de leite condensado e não a gastarem toda, podem tapar com película aderente e congelar.
Dica: para desenformar o parfait, coloque a forma no prato de servir e aqueça-a ligeiramente com o maçarico, o calor vai fazer com que o doce caia para o prato suavemente.




quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Salmão com mostarda e coentros


Tenho comido muito agrião nos últimos tempos porque é bastante rico em ferro e porque gosto, claro! Salmão também é um peixe que como com alguma frequência devido à sua versatilidade e rapidez a cozinhar. Agrião, salmão e laranja ligam tão bem, que não foi preciso muito mais para fazer um prato delicioso em dez minutos. Sim, foram mesmo 10 minutos até ter esta refeição super saudável pronta. E estava maravilhosa :)

Ingredientes para 2 pessoas:
4 lombos de salmão 
Azeite, sal e pimenta qb
Sumo de uma laranja
2 colheres de sopa de mostarda em grão ou mostarda de Dijon
Meio molho de coentros frescos
Amêndoa palitada para guarnecer (1 a 2 colheres de sopa)
Salada de agrião e 1 laranja em gomos para acompanhar

Preparação:
Primeiro prepare o molho, colocando numa tigela a mostarda, o sumo de 1 laranja e os coentros picados. Misture tudo bem. Prepare também a salada com o agrião e a outra laranja cortada em gomos. Reserve.
Deite um fio de azeite numa frigideira anti-aderente e tempere os lombos de salmão com sal e pimenta a gosto. Quando o azeite estiver quente, coloque os lombos de salmão na frigideira e deixe cozinhar um a dois minutos, conforme a espessura do lombo. Se for um lombo fino, tipo filete, não deixe mais de um minuto para não secar. Vire os lombos cuidadosamente com uma espátula e deite 2/3 do molho por cima do peixe. Deixe cozinhar mais um a dois minutos e desligue o lume imediatamente.
Sirva o salmão acompanhado da salada. Acrescente um pouco de sal ao restante molho que não adicionou ao peixe e deite-o por cima da salada. Polvilhe tudo com amêndoa palitada ligeiramente torrada.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

sábado, 17 de setembro de 2016

Salada de frango, guacamole e ovo



Não me venham com essa conversa de que é o último fim-de-semana do verão, as comidas de conforto e as noites à lareira... desculpem, mas isso é deprimente! O verão até pode estar de mochila às costas, de partida para outro hemisfério, por obrigação de calendário, mas enquanto o termómetro marcar acima dos 25 e o sol brilhar, é na praia que quero passar os meus fins-de-semana. O ano passado o último mergulho no mar foi no dia 7 de novembro, já toda a gente andava a roer castanhas e eu continuava a ir a banhos, por isso ainda tenho uns 2 meses de verão bem medidos. Nunca ouviram falar no calendário Paparoquiano? ;)
Não quero com isto dizer que não aprecie, numa tarde invernosa, ficar enroscada no sofá a ver um filme ou um dia passado a fazer bolos, com o forno sempre ligado e um chocolate quente a fumegar. Mas, para mim, duas ou três tardes dessas são suficientes, já servem para alimentar a nostalgia da realidade que é viver num país com estações (mais ou menos) definidas quando, na verdade, eu preferia morar num paraíso onde fosse sempre verão. Quando apertassem as saudades de calçar botas ou vestir gola alta, vinha até cá, em dezembro, só para passar o Natal ;)
Tudo isto e o facto de eu gostar de saladas, frias ou quentes, em qualquer altura do ano, é o que nos leva a esta receita que foi imaginada para aproveitar umas sobras de frango assado. Eu sou uma pessoa que tanto come feijoada no verão como gelados no inverno, basta que me apeteça. Quanto às saladas, como-as todo o ano por serem dos meus pratos preferidos. Esta ficou deliciosa e até o "carniceiro" cá de casa "gostou". "Só gostas, não gostas muito", perguntei?... Ele "gostou", não se pode exigir tudo, afinal o verão também não dura 12 meses!
 
Ingredientes para 2 pessoas:
Folhas verdes a gosto (usei alface e agrião)
2 ovos
Sobras de frango assado ou cozido (cerca de 300 gr)
80 gr de bacon em pedaços finos
2 abacates maduros
1 tomate
3 colheres de sopa de azeite
1 colher de sobremesa de vinagre balsâmico
Sal e pimenta qb
Sumo de uma lima
Meio ramo de coentros frescos picados

Preparação:
Comece por cozer os ovos para ter tempo de os arrefecer. Retire ossos e peles das sobras do frango e corte-o em lascas. Prepare uma espécie de guacamole. Descasque os abacates e corte-os em pequenos cubos. Tempere imediatamente com o sumo da lima para o abacate não oxidar. Corte o tomate em cubos, também pequenos. Junte-os ao abacate, bem como os coentros picados. Tempere de sal, pimenta e azeite. Junte o frango à mistura de abacate e misture tudo.
Numa frigideira anti-aderente deite um fio de azeite muito pequeno e as tiras de bacon. Deixe fritar até ficar bastante crocante. Descasque os ovos previamente cozidos e corte-os em rodelas.
Num prato de servir disponha uma boa porção de folhas verdes, alface, agrião, rúcula. Tempere com um pouco de sal, vinagre balsâmico e um fio de azeite. Por cima disponha a salada de abacate e frango e guarneça tudo com as tiras de bacon crocante e as rodelas de ovo cozido.
Sirva a salada fria. Esta conjugação de sabores fica ótima e sabe bem o crocante do bacon com o guacamole meio desfeito e bem temperado. Uma delícia!

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Mousse de chocolate branco e lima


Hoje a sugestão é fresca e cremosa: uma mousse de lima, o citrino que, apesar de verde, é o menos ácido de todos. Eu adoro o sabor da lima porque conjuga acidez e doçura ao mesmo tempo. É tão subtil e tão fresca, esta redondinha verde! Como tinha limas em casa e algum leite condensado que tinha sobrado e que congelei (fica ótimo), resolvi preparar esta sobremesa que ficou a refrescar, já à espera do fim-de-semana. Para um sabor muito brasileiro e para dar alguma textura, ainda lhe juntei umas castanhas do Pará. Ficou muito boa, espero que gostem :)

Ingredientes para 8 taças:
200 gr de chocolate branco
200 ml de nata fresca (usei nata de soja para bater)
200 gr de queijo fresco batido ou iogurte grego
160 gr de leite condensado
Sumo e raspa de 2 a 3 limas, conforme o gosto
10 bolachas digestivas
10 castanhas do Pará

Preparação:
Derreta o chocolate em banho-maria. Numa taça à parte junte o leite condensado com o sumo e raspa das limas. Adicione o queijo fresco batido (ou iogurte). Junte este preparado ao chocolate derretido e misture tudo. Bata as natas até estarem bem firmes e envolva no preparado anterior.
Triture as bolachas com as castanhas do Pará. Distribua este preparado seco pelas taças, em quantidades iguais, e depois deite por cima colheradas de mousse. Decorre com rodelas ou raspas de lima e leve ao frio a refrescar até ao momento de servir.

Bom apetite! Bom fim-de-semana!

 

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Sopa de Ovos com feijão verde e hortelã


Sopa de Ovos é como a minha avó chama a este prato. Trata-se de uma sopa de feijão verde e tomate, com muito sabor a verão, que leva ovos escalfados e hortelã para aromatizar. Também leva pão e penso que, se fossemos alentejanos, lhe chamaríamos Sopa de Pão, quase de certeza... O Alentejo e o Ribatejo têm aspetos comuns no que à cozinha diz respeito.  Aqui, na zona de Vila Franca de Xira, fui habituada a comer sopas de pão e açordas desde muito pequena e sempre as adorei. A minha avó conta sobre a primeira vez que me deu açorda a provar, tinha eu meses. O relato inclui frases como "nem dava tempo de ir com a colher ao prato e tu já estavas de boca aberta a pedir mais". Pronto, é assim, acho que resume o quanto eu gosto de açordas e sopas de pão! E da minha avó!
Mais tarde, já andava na escola, descobri, também por mão da minha avó materna, esta Sopa de Ovos. Lembro-me que, de vez em quando, ao regressar da escola, lhe pedia para a fazer. Ela só fazia na época do tomate e quando tinha feijão verde e hortelã bons e frescos. Por isso, e apesar de ser à base de pão, esta é uma sopa de verão. E penso que seja algo muito ribatejano, pelo menos a minha avó, que tem 86 anos, recorda-se de a comer desde há décadas e conta que sempre se lembra de a mãe dela a fazer. É uma sopa que serve bem como refeição principal. Às vezes faço-a, mas desta vez confirmei com a avó todos os passos para ser fiel à receita dela. A única alteração que introduzi foi os ovos escalfados à parte para ficarem mais direitinhos e no ponto desejado. Eu gosto deles mal escalfados, já a minha avó gosta dos ovos mais cozidos e coloca-os diretamente no caldo da sopa, nos últimos minutos da confeção. De uma forma ou de outra, fica uma delícia. Espero que gostem deste prato tipicamente ribatejano que faz parte das minhas memórias de infância.

Ingredientes para 4 pessoas:
2 litros de água
6 tomates maduros (frescos, da época)
1 cebola grande
2 dentes de alho
1 folha de louro
1 batata média a grande
500 gr de feijão verde
4 raminhos de hortelã
Sal e pimenta qb
1 fio de azeite (2 a 3 colheres de sopa)
4 ovos
8 fatias finas de pão da véspera

Preparação:
Coloque o azeite num tacho e a cebola em meias luas muito finas, bem como os alhos esmagados e grosseiramente picados e a folha de louro. Deixe refogar muito ligeiramente por poucos minutos. De seguida junte o tomate pelado e cortado em pedaços e a batata em cubos pequenos. Junte a água e tempere de sal. Tape o tacho e deixe a água ferver. Nesse momento junte o feijão verde, depois de arranjado e cortado em pedaços. Retifique o sal e deixe o feijão verde cozer, bem como as batatas. Assim que estiver tudo cozido, desligue o lume e junte ramos de hortelã. Mexa e tape o tacho, deixando repousar por uns minutos, enquanto faz os ovos escalfados à parte. Se preferir pode escalfar os ovos no caldo da sopa. Cozinhe-os conforme o seu gosto para ficarem mais ou menos cozidos.
No momento de servir disponha nos pratos ou numa terrina de servir as fatias de pão de véspera cortado finamente. Deite a sopa por cima de forma a embeber o pão. Junte um ovo por prato e mais um raminho de hortelã. Tempere os ovos com um pouco de pimenta moída na altura e sirva.

Bom apetite! Comam  bem e de forma saudável!

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Tarte de Amêndoa e Mirtilos



Esta tarte é daquelas sobremesas maravilhosas, tipo doce conventual, que é impossível não gostar, pelo menos para mim, que adoro doces com ovos e amêndoa! É um bocadinho bombástica, é verdade, com muita manteiga e açúcar, mas é tão boa, que se perdoa mesmo todo o mal que possa fazer :)
A receita é do Chef Avillez. Este verão o Expresso publicou uns livros de receitas dos restaurantes dele e da sua equipa de chefs. Do livro "Sobremesas em grande" retirei esta receita e só posso dizer que é mesmo "em grande" e faz sucesso em qualquer festa ou jantarada. Desta vez segui exatamente a receita e o único "defeito" que lhe encontrei foi um pouco de doce a mais, da próxima vez vou cortar 50 gr no açúcar, penso que ficará igualmente boa e menos pesada. Os mirtilos dão uma suave acidez a este doce e a massa é tão tenra e deliciosa, que nem sei dizer se gosto mais da massa ou do recheio. O meu marido e os amigos que provaram também gostaram muito. Além de saborosa, fica muito bonita e ficou ainda mais apresentável neste prato de bolo, com pé de madeira e prato em mármore, uma gentileza da decoradora Teresa Porém.

Ingredientes: 
Para a massa: 150 gr de manteiga sem sal, 70 gr de açúcar, 250 gr de farinha sem fermento, 2 gemas de ovo
Para o recheio: 300 gr de manteiga, 300 gr de açúcar (recomendo usar apenas 250gr), 300 gr de farinha de amêndoa, 4 ovos médios, 125 gr de mirtilos

Preparação:
Para fazer a massa, envolva a farinha com o açúcar e a manteiga até formar uma espécie de "farofa". Junte as gemas e misture, amassando com as mãos, até obter uma massa homogénea. Envolva em película aderente e deixe repousar no frigorífico por 20 minutos. Depois estique a massa com a ajuda de um rolo e forre uma tarteira, leve ao frio mais uns minutos e depois coloque papel vegetal por cima da massa e algum peso (feijões secos, por exemplo). Leve a cozer 10 minutos no forno pré-aquecido a 150º.
Para fazer o creme coloque o açúcar e manteiga numa taça e derreta-os em banho-maria. Misture bem, retire do calor e junte a farinha de amêndoa, envolva, junte os ovos ligeiramente batidos. Envolva novamente e deite o preparado por cima da massa pré-cozida. Depois acrescente os mirtilos, espalhando-os uniformemente pela superfície da tarte. Leve novamente ao forno até a tarte estar cozida. A receita indicava 20 minutos à mesma temperatura de 150º mas, no fim do tempo, estava tudo cru (o meu forno não é assim tão potente...). Acabou por ficar 40 minutos e elevei um pouco a temperatura. Recomendo que experimentem a 170º durante 30 minutos e depois vejam se está pronta, se o recheio ainda estiver líquido, deixem cozer mais um pouco.

Bom apetite e bom fim-de-semana!

  

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Esparguete com caril, cogumelos e pimentos de Padrón



Esta é uma receita de fazer crescer... não água, mas fogo na boca, acreditem!
Os meus pais sabem que gosto muito de pimentos, todo o tipo de pimentos. Antes de ir de férias o meu pai perguntou-me o que eu gostava que ele plantasse mais na horta e eu pedi pimentos. Gosto dos verdes, dos vermelhos, que não são mais que os verdes amadurecidos, dos doces, tipo pimento italiano e também gosto muito de pimentos de Padrón. Os meus pais também gostam, aliás a primeira vez que os comi foi com eles, em Espanha, precisamente na Galiza, onde fica a localidade de Padrón. Hoje temos de tudo nos nossos supermercados, mas há uns 25 anos não era comum ver-se este tipo de pimento por cá. Provei os ditos pimentos numa casa de tapas galega, entre muitos outros petiscos deliciosos. Lembro-me de termos comido, no mesmo almoço, uma tarte de bacalhau e passas maravilhosa, da qual nunca mais me vou esquecer do sabor.
Entretanto os pimentos de Padrón, bem como outras iguarias, democratizaram-se nos supermercados portugueses e ainda bem, pelo que os compro de vez em quando (encontro quase sempre no LIDL) e faço-os salteados só para mim ou para os meus pais ou amigos, já que o meu marido não gosta mesmo nada de pimentos... Este ano, acabada de chegar de férias, os meus pais mimaram-me com tomates cereja, feijão verde tenrinho, umas alfaces que parecem enormes repolhos e uns pimentos de Padrón, que foi algo que o meu pai plantou para me fazer a surpresa. E que supresa!! Eu adorei os pimentos, fiquei contente, agradeci, e ele cozinhou logo uns quantos para eu experimentar. Quando fomos provar... eram muitooooooooo picantes!! MUITO! Eu ainda lhe perguntei se não eram mesmo malaguetas, mas ele diz que não ;) A minha mãe até largou uma asneira quando provou um e eu fiquei a chorar dos olhos, foi obra!
Bom, ainda assim, os pimentos não ficaram por comer, nem vão ficar os que ainda estão a rebentar lá na horta. Estou a pensar abri-los antes de os cozinhar e retirar as sementes, pois é nas sementes que está o picante. Entretanto os primeiros foram cozinhados com massa de caril e cogumelos. Resultado: uma refeição mesmo picante, hot, quente, de pôr a língua aos saltos, mas que ficou uma delícia! Aconselho, no entanto, aos palatos mais sensíveis, que façam o prato com pimentos que sejam menos picantes...

Ingredientes para 4 pessoas:
250 gr de esparguete com caril da Milaneza
300 gr de pimentos de Padrón (picantes ou não, conforme o gosto, tenha atenção quando os comprar)
4 dentes de alho
1,5 dl de azeite
300 gr de cogumelos mistos (usei dos brancos e dos pleurotos)
150 gr de bacon partido em tiras finas

Preparação:
Comece por cozer o esparguete de caril em água com sal. Este esparguete da Milaneza é muito saboroso, tem um aroma a caril delicioso e uma cor muito bonita, só precisa de umas pedras de sal na água para cozer até ficar "al dente" e posteriormente ser envolto num fio de azeite. Se ficar "al dente" até se aguenta lindamente de um dia para o outro, é rijinho e delicioso.
Numa frigideira anti-aderente deite o bacon cortado em tiras finas e um pequeno fio de azeite. Deixe o bacon frigir em lume médio até ficar crocante. Depois de pronto, retire e reserve num papel absorvente para retirar o excesso de gordura. Na mesma frigideira deite mais azeite e salteie os cogumelos (depois de cortados em pedaços) com 2 alhos laminados e umas pedras de sal. Reserve depois de prontos. Junte mais algum azeite à frigideira e salteie os pimentos com os outros 2 alhos laminados e temperados com umas pedras de sal. Os pimentos estão prontos quando começam a ficar murchos e tostadinhos, sem deixar queimar.
No fim, junte tudo na frigideira e envolva o esparguete com o bacon e os cogumelos, colocando por cima os pimentos. Depois é só servir!

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Salada de agrião, melancia e camarão com molho de iogurte e manga



Não tem colesterol, tem imensa água, vitamina C e muito potássio, a melancia é um ótimo alimento para o verão! Eu gosto muito, principalmente quando é docinha, claro! Gosto de a comer em fatias, em sumos ou batidos. E, desta vez, até a misturei numa deliciosa salada, que ficou fresca e cheia de contraste de sabores. Os agriões amargos, as frutas doces e os camarões fizeram uma combinação daquelas que me agrada mesmo muito. Espero que também gostem.

Ingredientes para 2 pessoas:
Meia melancia não muito grande
150 gr de agrião
Duas mãos cheias de folhas de manjericão fresco
300 gr de camarão cozido
Meia manga madura
2 iogurtes naturais sem açúcar
1 fio de azeite (1 colher de sobremesa)
1 colher de chá de vinagre de cidra
Sal e pimenta qb

Preparação:
Comece por retirar cerca de 150 gr de polpa da melancia em formato de bolinhas. Retire a restante polpa e reserve para uma salada de frutas, por exemplo. Reserve a casca da melancia, que vai servir de "taça". Faça o molho de iogurte misturando os iogurtes, a maioria do manjericão (reserve algumas folhas para guarnecer a salada), um quarto de uma manga, o azeite, vinagre, sal e pimenta. Triture tudo com a varinha mágica. 
Envolva as folhas de agrião com o molho de iogurte. Coloque as folhas na melancia, bem como as bolinhas de melancia, a restante manga em pedaços, os camarões cozidos e previamente descascados e as folhas de manjericão. Regue com mais molho de iogurte, tempere com um pouco de flor de sal e pimenta moída na altura e sirva a salada bem fresca.

Bom apetite! Comam bem e de forma saudável!

 



sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Sangria de limão, laranja e hortelã


Eu não costumo gostar muito de sangrias tradicionais porque as considero muito doces. Na maioria dos restaurantes acho que são enjoativas, pelo que só bebo sangria feita por mim ou pelo meu pai. Por vezes eu faço algumas variações com frutos e aromas diferentes. Mas a sangria de que continuo a gostar mais é mesmo esta de limão e hortelã que o meu pai faz. Adoro-a por ser muito fresca, fica uma sangria diferente, os mais gulosos poderão dizer que é pouco doce mas, para o meu gosto, é espetacular! É mesmo super fresca, uma bebida de verão por excelência. Nós costumamos bebê-la a acompanhar petiscos, nomeadamente caracóis, quando os fazemos em casa dos meus pais, no campo. Foi o caso do dia em que tirei estas fotos. Nem fotografei no copo, foi só no jarro e depois começou logo a ser bebida. E desapareceu num instante ;)

Ingredientes e preparação:
4 colheres de sopa de açúcar amarelo
2 limões
2 laranjas (uma é cortada em rodelas para colocar no jarro)
2 raminhos de hortelã ( um é para colocar no jarro)
1 pau de canela
Misturar o açúcar com o sumo dos limões e de uma laranja e um ramo de hortelã, esmagando tudo com um pilão ou colher de pau e deixar repousar no frigorífico durante uma a duas horas (assim esta mistura pode ser preparada com antecedência e misturada depois com os outros ingredientes líquidos no momento de servir a sangria).
Ingredientes líquidos:
Meio litro de vinho tinto
33 cl de cerveja preta
25 cl de refrigerante com gás lima limão
1 cálice de licor Beirão
Gelo a gosto

No momento de servir a sangria, junte estes líquidos (devem estar todos bem frescos) num jarro. Acrescente as rodelas da segunda laranja, o pau de canela, o segundo raminho de hortelã. Acrescente o preparado de sumo de limão, hortelã e açúcar, depois de coado. Para isso pode utilizar um pano, apertar bem e deixar escorrer todos os sucos. Misture tudo bem e junte gelo a gosto. Sirva com o seu petisco de verão preferido, o nosso são os belos dos caracóis ;)

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Gelado de manjericão com doce de tomate e bacon crocante


 
Tenho a dizer que fazer gelados é fantástico, comê-los é delicioso, mas fotografá-los de verão é algo complicado. Escorregadio, digamos, derretido, peganhento... difícil mesmo! Pronto, já desabafei :)
Aceitei mais este desafio do grupo "Dia Um... Na Cozinha", desta vez não podia mesmo faltar, pois adoro gelados, sempre gostei muito, é das minhas sobremesas preferidas seja em que altura do ano for. Uma vez, tinha eu uns 12 anos, numas férias de verão, o meu pai provocou-me com qualquer coisa e fez uma aposta comigo em como eu não conseguiria comer imenso gelado. Já não me recordo de toda a argumentação que, na altura, levou à aposta e à nossa "picardia", só sei que aquilo acabou com os meus pais a almoçarem num restaurante em Tomar e eu a ver, sem comer nada. Se seguida fomos a uma gelataria e eu almocei só gelado, não sei quanto comi... foi muito! O meu pai disse para eu comer o que conseguissse... e eu comi!
Muitos anos depois, com o meu marido, em Florença, aventurámo-nos com uns gelados tão grandes (o meu devia ter quase um quilo), que o gelado já derretia pelas minhas mãos, pelos braços, enfim, aquilo nunca mais terminava, estava calor e eu não conseguia comer a maior ritmo, apesar de tentar com todas as minhas forças! Sempre que vamos a Itália não perdemos os gelados deliciosos e brutalmente cremosos que eles fazem por lá. Este ano foi numa viagem à Sicília, onde comemos o melhor gelado de pistácio de sempre!
Em casa faço gelados às vezes e esta foi a oportunidade para fazer algo diferente. Como gosto muito de manjericão e estamos na altura do tomate maduro, ocorreu-me a combinação destes sabores, muito mediterrânicos, deliciosos na minha opinião. Por fim, resolvi dar um toque salgado à sobremesa, mas é facultativo. O bacon conjugou na perfeição com o tomate e manjericão, ficou mesmo uma delícia. Estou muito orgulhosa desta criação (apesar das fotos não serem das melhores... tentei por trêss vezes e o gelado derretia sempre muito depressa). Espero que também gostem, deixem-me a vossa opinião e tenham um excelente (e querido) mês de agosto.


Ingredientes:
Para o doce de tomate: 500 gr de tomate chucha maduro + 250 de açúcar + 1 pau de canela (depois de pronto, utilize apenas a quantidade de doce necessária para o gelado: cerca de 4 colheres de sopa). Podem ver a receita AQUI.
Para o gelado: 2 mãos cheias de folhas de manjericão, meia lata de leite condensado (usei magro), 200 ml de nata fresca, folhas de manjericão para decorar, fatias de bacon fumado (uma por pessoa no momento de servir), 1 colher de sopa de manteiga e 1 colher de sopa de mel para caramelizar o bacon

Preparação: Comece por colocar as folhas de manjericão e o leite condensado num copo misturador e triture tudo com a varinha mágica. À parte bata as natas frescas, juntando apenas 1 a 2 gotas de limão. Bata até estarem espessas e com picos firmes. Envolva as natas no preparado de manjericão. Coloque num recipiente e leve ao congelador. Duas horas depois mexa o gelado e junte o doce de tomate, envolva. Volte a colocar no congelado. Duas horas depois volte a mexer. No momento de servir, junte folhas de manjericão a gosto, um pouco mais de doce de tomate e bacon crocante, se gostar. Caramelize o bacon numa frigideira com manteiga e mel e deixei-o arrefecer antes de servir.

Bom apetite!